Mais de 300 universitários de Macau em Portugal para curso de língua portuguesa

O curso de Verão “Ser e saber da Língua Portuguesa”, destinado a alunos universitários de Macau, levou 320 alunos a Portugal desde que foi lançado em 2012, segundo dados facultados pelo Gabinete de Apoio ao Ensino Superior (GAES).

No próximo Verão, parte um novo grupo composto por mais 80 alunos, disse o coordenador do GAES, Sou Chio Fai, à agência Lusa, num balanço dos cinco anos da iniciativa inserida no “objectivo de Macau de formar mais quadros bilingues” com diferentes especializações.

“Podemos ver que cada vez mais alunos universitários têm interesse em aprender português”, observou Sou Chio Fai, manifestando-se satisfeito com os resultados dos alunos que participam no curso e com a cooperação com as instituições parceiras.

O curso de verão de língua portuguesa desenrola-se em duas fases: a primeira decorre em Macau, no Instituto Português do Oriente (IPOR), onde os alunos universitários têm de cumprir 50 horas lectivas; e a segunda em Portugal, para onde seguem os melhores estudantes por um período de aproximadamente um mês.

Em 2012, por exemplo, foram 100 os alunos que participaram na primeira fase, dos quais 28 foram seleccionados para irem para Portugal; enquanto em 2016 foram 250 os que frequentaram o curso no IPOR, dos quais 80 seguiram para Portugal, complementou a coordenadora-adjunta do GAES, Sílvia Ho.

No arranque, a iniciativa contava apenas com a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa como parceira em Portugal, mas desde 2014 o curso de verão passou a ser alargado também à Universidade do Porto.

Grande parte é de Humanidades – de Línguas Estrangeiras ou de História – mas também há alunos de áreas tão distintas como Turismo ou Enfermagem.

Ao “Ser e Saber da Língua Portuguesa” são elegíveis residentes que estejam a frequentar cursos de bacharelato ou licenciatura em instituições do ensino superior de Macau e também no estrangeiro.

As motivações variam. Em primeiro lugar, há interesse por o português ser uma das duas línguas oficiais de Macau, observa Sílvia Ho, reproduzindo o ‘feedback’ dos que tiveram a experiência e falando também na percepção que existe: “Sentem que agora na Administração há mais pessoas a falar da importância do português, querem ficar bem preparados”.

Sou Chio Fai complementou: “Alguns também têm interesse em conhecer o país, que é tão conhecido, mas [fica] muito longe”.

Os dirigentes do GAES consideram que os estudantes têm “aproveitado bem” o curso de verão, havendo casos de alunos que após concluir o ensino superior foram fazer mestrado em Portugal, além de muitos outros que decidiram aprofundar os conhecimentos da língua no IPOR.

Desde 2012, o curso foi alvo de melhorias, introduzidas após opiniões dos estudantes. A título de exemplo, em 2012 foram a Portugal 28 alunos, todos do chamado “tipo 1”, ou seja, sem conhecimentos prévios da língua, enquanto em 2014 foram também abertas vagas para o “tipo 2”, isto é, destinadas a estudantes com algum conhecimento de português.

“Os alunos têm conseguido atingir um determinado nível de proficiência de português”, enfatizou Sou Chio Fai, explicando que “fazem questão” que os alunos cumpram as 50 horas lectivas no IPOR, referentes à primeira fase do curso de Verão para não chegarem a Portugal sem conhecimento nenhum.

“Achamos que seria um pouco desperdício de tempo” só começarem a aprender lá, complementou a coordenadora-adjunta, explicando que, a pensar nos residentes que estudam no estrangeiro – para os quais está reservada parte das vagas do curso – a formação no IPOR pode ser feita em três períodos diferentes – Ano Novo chinês, Páscoa e verão –, alturas em que, regra geral, regressam a casa e têm tempo por estarem de férias.

“Foi uma coisa que decidimos fazer para os atrair”, acrescentou.

Segundo a média dos últimos três anos, o GAES gasta 4.410 patacas por cada aluno que participa no curso, uma verba que inclui propinas e subsídio de alojamento.

A viagem de avião até Portugal também é paga pelo Governo de Macau, mas não entra nas contas do GAES.

 

2017-03-13
Guardar este link.