Terça-feira, Junho 2, 2020
Inicio Macau Casas de Macau

Casas de Macau

 

 

Conselho das Comunidades Macaenses aprova orçamento e plano de actividades

O Conselho das Comunidades Macaenses (CCM) aprovou o orçamento e plano de actividades para o biénio 2005/2006. A deliberação resultou de uma Assembleia Geral extraordinária, que se realizou aproveitando a presença da maioria dos dirigentes das Casas de Macau na RAEM, a convite do Comité Organizador dos Jogos da Ásia Oriental para assistir às competições. Consta do programa o reforço da promoção do ensino da língua portuguesa na diáspora bem como o estudo, investigação e divulgação do dialecto macaense – Patuá; viabilização de instalações próprias para todas as Casas de Macau; intensificação de protocolos institucionais com a Universidade de Berkeley da Califórnia; criação de um Museu da Comunidade Macaense na RAEM; consolidação de núcleos da juventude nas Casas de Macau promovendo actividades juvenis; e organização de intercâmbios culturais e desportivos regionais e inter-regionais. A dinamização dos jovens macaenses na diáspora – que dá o mote ao próximo Encontro das Comunidades Macaenses agendado para 2007 – por um lado, e o financiamento do plano de actividades por outro, perfilam-se entre as principais preocupações do Conselho. Criado há um ano, à margem do Encontro das Comunidades Macaenses – Macau 2004, o CCM é uma instituição com sede na RAEM que congrega as Casas de Macau na diáspora e o conjunto de associações de matriz portuguesa de Macau.

 

Entusiasmo de São Paulo contagia a diáspora

Com a visita no Verão do Chefe Executivo da RAEM ainda fresca na memória, a Casa de Macau de São Paulo tem vindo a assumir um papel motivador como rampa de lançamento de um número de iniciativas junto das demais casas. É exemplo a criação de uma associação de empresários macaenses do Brasil, movimento que visa o incremento das relações comerciais com Macau a que já aderiu a diáspora radicada nos Estados Unidos e na Austrália, onde ainda carece de oficialização. Ainda o entusiasmo com que lançou a “directoria jovem” e o êxito do modelo – dotando os mais novos com autonomia para promoverem e organizarem as suas próprias actividades -, incentivou outras casas a criar núcleos direccionados para novas gerações. Convívio, iniciativa e entusiasmo têm sido a regra nesta que é a maior Casa de Macau.

 

Macaenses da Califórnia criam associação empresarial

Está criada a Associação dos Empresários Macaenses da Califórnia, tendo como objectivo facilitar as relações entre congéneres a residirem na RAEM e nos Estados Unidos. A iniciativa integra um movimento encetado pela Casa de Macau em S. Paulo – e que Sidney está em vias de aderir – para incrementar o número de mecanismos comerciais entre a RAEM e a diáspora. Na voz dos protagonistas trata-se de uma oportunidade para Macau capitalizar toda uma infra-estrutura existente além-fronteiras. No caso particular da Califórnia, é também intenção do recém-criado organismo proporcionar oportunidades de negócio entre o empresariado chinês e o poderoso sector dos lacticínios, um terço do qual é controlado pela diáspora portuguesa ali residente.

 

Centro Cultural Macaense une diáspora radicada nos EUA

Aspiração antiga da diáspora radicada nos Estados Unidos, o Centro Cultural Macaense tornou-se uma realidade ao longo deste ano com a assinatura de um acordo histórico entre as três casas norte-americanas – Lusitano Clube da Califórnia, Casa de Macau USA e União Macaense Americana. Fazendo uso do apoio financeiro concedido há cinco anos pela Fundação para a Cooperação e Desenvolvimento de Macau, está já em curso o processo de aquisição de um terreno onde será edificada a sede do centro cultural enquanto bastião da identidade macaense na América. As instalações contarão com uma “biblioteca central”, uma galeria de exposições e um espaço para a comercialização de produtos “Made in Macau”, servindo de palco ao mais variado rol de actividades para a promoção e preservação da história, cultura e legado macaenses – leccionar, entre outras disciplinas, as línguas portuguesa e chinesa, culinária e artes marciais.

 

 Austrália lança “Grupo dos 18-30”

Respondendo ao principal desafio com que se depara a diáspora macaense, a dinamização das novas gerações, e ao projecto lançado pela sua congénere brasileira em São Paulo, a Casa de Macau

na Austrália levou a cabo a reunião inaugural do “Grupo dos 18-30”. A iniciativa, que assegurou um assento nos novos corpos gerentes, visa a promoção de iniciativas especificamente direccionadas aos jovens e que concorram para a preservação da identidade macaense. Em Setembro passado, data em que decorreu a XXI Assembleia Geral, eram aproximadamente 700 os membros da Casa de Macau Inc. Austrália, com representação efectiva nos estados de Queensland, South Australia, Victoria, Western Australia, Tasmania, e Capital Territory.

 

Primeira dama portuguesa recebe comitiva da RAEM

A Associação Promotora da Instrução dos Macaenses organizou a visita de uma delegação da RAEM a Portugual onde manteve uma ronda de contactos com destaque para os encontros com a primeira dama portuguesa, Maria José Ritta e com o embaixador da China em Lisboa, Ma Enhan. A Delegação Económica e Comercial de Macau em Portugal, chefiada por Raimundo do Rosário, fez coincidir a presença da comitiva em Lisboa com a exposição do macaense Rigoberto do Rosário Jr. que serviu de pano de fundo para a apresentação do livro “À mesa com a Diáspora”. Para além da romagem ao santuário de Fátima, onde foi lida uma mensagem do Bispo da Diocese de Macau, D. José Lai, os mais de 70 elementos da comunidade, entre membros da APIM, Associação dos Aposentados, Pensionistas e Reformados de Macau, Associação dos Macaenses, Santa Casa da Misericórdia, e Lusitano Clube de Hong Kong tiveram ainda oportunidade para visitar os principais pontos turísticos do País.

 

Casa de Macau em Lisboa mais perto do mundo

A Casa de Macau em Lisboa acaba de lançar a sua página na Internet (www.casademacau.pt) onde dá conta da sua variada actividade cultural, institucional e editorial, com a publicação de um boletim mensal e outro trimestral. Ao nível institucional, acaba de alargar o seu já vasto leque protocolar – que permite oferecer aos associados cursos de português ou aulas de taichi e ioga – com a assinatura de um acordo com o INATEL – Instituto Nacional de Aproveitamento dos Tempos Livres.

 

Convívios em Toronto

O elenco totalmente feminino da direcção da Casa de Macau no Canadá, em Toronto, foi reconduzido para um segundo mandato votado em Assembleia Geral no passado mês de Setembro. Atitude que significou uma declaração de confiança por parte dos 284 associados no rol de actividades socioculturais por que se pautou o trabalho desenvolvido durante o primeiro mandato.

Artigo anteriorHomenagem a Eugénio de Andrade
Próximo artigoBoom

ARTIGO