Terça-feira, Julho 7, 2020
Inicio Cultura 50 anos de paixão

50 anos de paixão

 

 

 

 

As finas areias do deserto do Góbi tinham deixado de fustigar Pequim quando um triunfante Mao Zedong proclamou na Praça da Paz Celestial (Tiananmen) a fundação da República Popular da China. O largo terreiro construido durante a Dinastia Ming (1368-1644) foi abanado pelas ondas da ensurdecedora euforia espalhadas aos ventos por um oceano de seguidores do Grande Timoneiro. Estava-se a 1 de Outubro de 1949. A poucos milhares de quilómetros, na costeira e magnífica Xangai, na Universidade Aurora, os padres jesuitas adivinhavam mudanças.

Entre altos e baixos, a presença dos jesuitas na China tinha-se feito sentir nos últimos quatro séculos. Macau tinha sido a porta de entrada, onde a ordem tinha erguido o Colégio de São Paulo. Nessa longa aventura no Império do Meio (Zhong Guo) destaca-se, entre outras, a histórica figura do padre italiano Matteo Ricci (1552-1610), que em 1583 entrara por Macau para iniciar um diálogo entre a China e o Ocidente que perduraria até aos dias de hoje. Uma entrega que lhe valeu, inclusive, a faculdade de se instalar em Pequim por auto passado pelo imperador Wan-li, em Maio de 1601.

Entre os jesuitas obrigados a sair da China estava Eugene Zsamar, padre de nacionalidade húngara que há já alguns anos alimentava um ideal de proporções épicas: o maior dicionário para a compreensão da língua chinesa. Uma enciclopédia do saber que abarcasse dezenas de áreas do conhecimento e que se transformasse na maior base de dados lexicogramaticais chineses em cinco línguas: húngaro, inglês, francês, espanhol e latim. É certo que os quatro séculos de presença jesuita na China tinham resultado em diversos dicionários mas Zsamar era da opinião que urgia colmatar a necessidade de uma obra que permitisse um conhecimento sistemático e profundo dos diferentes aspectos da cultura e língua chinesas. O sacerdote germinava essa ideia há já vários anos, estava então o Império do Meio a ser devorado pelos horrores da segunda guerra entre a República da China e o Império do Japão (1937-1945).

Com a invasão da Manchúria, em 1931, provocada por um alegado acto de sabotagem na linha férrea que estava na posse do Império do Sol Nascente em Mukden, hoje Shenyang, os japoneses avançavam a passos largos na intenção de conquista do interland asiático. Os vários incidentes entre as forças dos dois países provocariam um estado de quase ruptura político-diplomático. Até que o pior aconteceu com o mais grave dos incidentes, em 1937, na Ponte Marco Polo. Um violento confronto entre as duas forças rapidamente se transformou no rastilho que fez eclodir o segundo conflito armado entre os dois estados e que só terminaria com a rendição do Japão, a 2 de Setembro de 1945, perante as forças aliadas, no convés do porta-aviões americano USS Missouri ancorado na baía de Tóquio.

 

Macau: o início da aventura

 

Ainda o ano de 1949 não tinha saído do calendário e Eugene Zsamar chegava a Macau. A ele juntaram-se outros padres jesuitas, como o francês Deltour. Com eles trouxeram incontáveis manuscritos e livros além de perto de 200 dicionários e trabalhos congéneres que acabaram por servir de base ao projecto. As primeiras duas equipas, a húngara e a francesa, cedo deitaram mãos à obra. No Outono de 1951 seria a vez dos espanhóis e mais tarde um sacerdote espanhol e outro italiano iniciaram os trabalhos em latim. A última equipa, para o dicionário em inglês, viria a ser constituída em 1952, já então em Taichung, na parte central de Taiwan. Lenta e laboriosamente, a equipa de uma vintena de jesuitas e alguns colaboradores chineses cumpria a primeira das muitas fases de uma tarefa que levaria mais de meio século a ser concluída. Em pequenos pedaços de cartão manuscreviam as definições dos principais dicionários chineses existentes à época e a respectiva tradução nas cinco línguas, num trabalho longo e fastidioso. Mais de dois milhões de fichas viriam a ser redigidas. Em 1955 chegava a Taichung outro jovem jesuita, vindo de Xangai, que se tornaria em uma das principais peças deste gigantesco puzzle: Jean Lefeuvre. Hoje, em Taipé, este ancião de 82 anos é o mais antigo dos sacerdotes ligados ao projecto. Em 2002, ao suplemento literário do jornal Libération, Jean Lefeuvre sintetizou a minúcia emprestada à criação de uma obra que viria a resultar, apenas na versão francesa, em sete volumes com 17 quilos de peso, 9000 páginas repletas de 13.500 caracteres chineses e 300.000 expressões que abraçam cerca de 200 áreas do saber, da Astronomia ao Budismo, do Tauismo ao Direito, da Medicina à Economia, às artes, à literatura. “Se um dos dicionários utilizados citava uma frase extraída de um livro, havia que descobrir esse livro e o contexto do qual tinha sido tirada a frase”, explicou Lefeuvre ao matutino francês. Não admira por isso os 52 anos de trabalho nos quais participaram quase 300 pessoas, entre jesuítas e outros historiadores e homens do saber leigos além de técnicos chineses. De etapa em etapa, o imenso espólio recolhido e guardado nas pequenas fichas viria depois a dar mais de 40 espessos volumes de páginas dactilografas. À falta de meios financeiros, a monumental tarefa foi sendo cumprida ao ritmo possível e viria a demorar 15 anos. Cada folha dactilografada levava consigo quatro outras cópias e outras tantas páginas de papel carbono para que não existisse apenas um exemplar mas sim cinco, não fosse o diabo tecê-las.  Dois exemplares ficavam então à guarda do Instituto Ricci, criado em Taipé em 1964 pelo jesuita Yves Raguin, que sucedera a Zsamar, cuja saúde se tinha deteriorado. O sacerdote húngaro não resistiu e veio a falecer em 1967. O Instituto Ricci de Taipé surgia com a intenção de dar uma base institucional ao projecto do dicionário, além de o incluir, no futuro, num leque maior de programas de investigação. Poucos anos depois surgiriam outros institutos, em Paris e São Francisco. O de Macau seria criado apenas no final da década de 90. Os restantes volumes com exemplares dactilografados foram enviados para as Filipinas, França e Estados Unidos.

 

O único sobrevivente

 

Década e meia depois e a espinhosa missão parecia irremediavelmente condenada ao desastre, por falta de meios financeiros. “Ninguém queria investir num projecto que terminaria, muito provavelmente, em fracasso”, revelam escritos guardados nos arquivos do Instituto Ricci. Às dificuldades financeiras juntaram-se as mortes dos sacerdotes mais idosos e à saída de outros padres para missões em diferentes campos apostólicos. Sem surpresa, das cinco equipas apenas se manteve em funções a francesa. Ainda que não se tenha perdido tudo. Na década de setenta a versão espanhola viria a dar um pequeno dicionário, o trabalho em húngaro foi oferecido ao governo de Budapeste e o de latim mantém-se nos arquivos do Instituto Ricci de Taipé. Também a inglesa não mais sairia da gaveta mas por razões diferentes. A secção foi dissolvida após a inesperada morte do seu líder, o padre e arqueólogo Thomas Carroll. Este enérgico americano era o especialista em “ossos de oráculo”, carapaças de tartaruga e omoplatas de bovinos com inscrições que recuavam ao tempo da Dinastia Shang, 2000 anos antes de Cristo, utilizados em cerimónias divinas. Acredita-se que estes artefactos descobertos pela primeira vez em 1899 sejam a primeira evidência do chinês escrito. A má sorte de Carroll, porém, estava traçada. Durante uma expedição arqueológica à ilha de Lamma, em Hong Kong, em Agosto de 1964, o jesuita terá sido vítima de prolongada exposição ao implacável sol e extrema humidade do Verão nesta parte do mundo e despenhou-se num precipício. Seria Jean Lefeuvre a substitui-lo no estudo dos “ossos de oráculo” e ainda hoje se agarra a essa tarefa ao ponto de se esperar a publicação de um dicionário. Em 1968 chegava a Taiwan outro “noviço”. Yves Camus, hoje director do Instituto Ricci de Macau, ingressava na Universidade Nacional da ilha nacionalista para cumprir os seus estudos em filosofia chinesa. Seis anos depois saía com uma licenciatura. Membro do Ricci de Taipé desde o início da década de setenta, assistiu ao lançamento de uma pequena versão do dicionário que já levava mais de 25 anos. O Petit Ricci tinha 6000 caracteres e 5000 expressões. Yves Camus ainda não o sabia mas na década seguinte viria a ser um dos protagonistas na “saga” do Grand Ricci. Com o advento da informatização surgiu na década de oitenta a necessidade de passar as dezenas de volumes dactilografados para computador. Corria o ano de 1985 e a tarefa foi atribuída a Camus que pouco ou nada sabia de sistemas operativos. Sentado na sala de arquivos do Instituto Ricci de Macau, no pequeno edifício de traça mediterrânica a escassas dezenas de metros do Tap Seak, o sacerdote relembrou à Revista Macau os 13 anos que deu ao projecto, de 1985 a 1998. A introdução dos dados em computador levou quatro anos e a entrega diária de cinco pessoas. “Encontrámos muitas dificuldades porque a informática não estava muito avançada”. A juntar a isso, explicou, o facto de “nos termos deparado com conflitos na junção das duas línguas”. Como se não bastasse, a equipa que chefiou teve ainda de “desenhar cerca de 2000 caracteres que não estavam na lista comercial de Taiwan”.

Em 1985, quando deitou mãos à obra, os arquivos dispunham de cerca de 185.000 entradas. Treze anos depois tinham sido incluídos na base de dados 300.000, ainda que Yves Camus, como confessa, gostaria de ver o dicionário aprofundar ainda mais assuntos como literatura, arqueologia, artes, música e provavelmente mitologia e tradições”. Por isso defende, ainda hoje, que o Grand Ricci deveria ter levado mais tempo a concluir. Ainda sim, garante, não há outro trabalho com esta dimensão e profundidade e o sétimo volume, dedicado a dossiers como budismo e confucionismo, entre outros, “é excelente”. A necessidade de múltiplas revisões, correcções, com os discos a viajarem entre Taipé e Paris, estendeu os trabalhos até 1998 e outros quatro anos foram necessários para a impressão dos três mil exemplares do Grand Ricci. Último obstáculo técnico: o software era poderoso, sim senhor, “mas muito pouco amigável”. Foi precisa a intervenção de peritos da Universidade de Lausanne, na Suiça, para que finalmente se pudesse utilizar o programa Pagemaker da MacIntosh no design das páginas. Em 1999, Yves Camus embarcava rumo a Macau. Em Dezembro de 2001 o Grand Ricci via finalmente, ao fim de 52 anos, a luz do dia. Eric Sautedé, editor da revista Chinese Cross Currents, é quem, no Instituto Ricci de Macau, se está a encarregar da comercialização de alguns dos exemplares do enciclopédico dicionário. “Encomendámos 14 e rapidamente vendemos seis”, diz, confiante que não tardará em esgotar a primeira remes–sa. O dicionário, contam todos, nunca foi visto como um produto comercial, bem pelo contrário. Os quase 10 milhões de dólares americanos investidos não terão retorno. Ainda assim a obra não sai barata. Em Macau custa 7500 patacas (USD 940). “É um dicionário fundamental para bibliotecas, universidades, sinólogos”, afiança Sautedé. Além de um importante pedaço de história que, conclui, está igualmente a despertar o interesse de coleccionadores. Afinal, nestes 17 quilos de páginas está um bom pedaço de China descodificado ao longo de meio século.

Artigo anteriorSabores auspiciosos
Próximo artigoVersão em CD-Rom

ARTIGO