Sexta-feira, Dezembro 4, 2020
Inicio Economia Parcerias reforçadas

Parcerias reforçadas

Mais de 275 empresas chi­ne­sas e dos países de língua portuguesa, correspondendo a um total de cerca de 400 empresários, participaram no 2o Encontro de Empresarial China/Países de Língua Portuguesa, que decorreu em Lisboa entre os dias 10 e 11 de Abril último. Organização conjunta do ICEP – Instituto das Empresas para os Mercados Externos de Portugal, CCPIT – Conselho de Promoção de Comércio Internacional da China, e IPIM – Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau, o Encontro foi palco para a assinatura de vários acordos visando o incremento da cooperação comercial entre a China e os países lusófonos. No âmbito do Encontro realizaram-se cerca de 620 encontros empresariais bilaterais.
O ICEP assinou com o seu homólogo IPIM um protocolo que visa a criação de um centro de negócios de Portugal em Macau e celebrou com o grupo chinês Nam Kwong uma parceria para a distribuição de produtos portugueses na China. Só nos dez primeiros meses de 2005 Portugal exportou produtos no valor de 180 milhões de dólares norte-americanos, representando um aumento de 57,4 por cento relativamente a 2004.
No âmbito da iniciativa privada, o grupo BPI (Banco Português de Investimento) assinou um protocolo de cooperação com a Associação Comercial In­ter­na­cional para os Merca­dos Lusófonos (ACIML), se­diada em Macau, tendo como principal objectivo “promover a cooperação comercial, financeira e de investimento entre empresas e entidades sediadas nos PALOP e empresas e entidades sediadas na República Popular da China ou nas Regiões Administrativas Especiais de Macau e Hong Kong”. Do acordo, o grupo BIP destaca aspectos como a criação de linhas de garantia para clientes importadores para operações com origem na Região Ásia-Pacífico, e a prestação de serviços bancários aos associados da ACIML em condições preferenciais.
O Encontro reuniu os outorgantes do Protocolo de Cooperação entre Organismos de Promoção Comercial/Câmaras de Comércio da China e dos Países de Língua Portuguesa assinado em Outubro de 2003, em Macau, que expuseram as oportunidades de negócios nos seus mercados. São assinantes desse protocolo a Câmara do Comércio e Indústria de Angola (CCIA), a Agência de Promoção de Exportações e Investimentos do Brasil (APEX), a Cabo Verde Investimentos – Agência Cabo-verdiana de Promoção de Investimentos (CI), a Direcção de Promoção do Investimento Privado da Guiné-Bissau (DPIP), o Instituto para a Promoção de Exportações de, Moçambique (IPEX) e a Divisão do Investimento e Turismo do Ministério do Desenvolvimento e do Ambiente de Timor-Leste (Instituto para a Promoção do Investimento e Exportação da República Democrática de Timor-Leste – TradeInvest Timor-Leste).
O chefe da delegação chinesa ao Encontro, Sui Jianmin, afirmou, durante a sua intervenção, que as novas directrizes do 11o plano quinquenal (ver pág. 66) permitirão aumentar o comércio bilateral entre a China e os Países de Língua Portuguesa. A mensagem de cooperação foi reiterada por Ye Yao, presidente da delegação do CCPIT em Guangdong (província contígua a Macau que representa cerca de 12 por cento do Produto Interno Bruto nacional), que exortou à participação dos empresários lusófonos na 3a Feira de Pequenas e Médias Empresas na Feira Internacional de Cantão, que qualificou como “uma importante plataforma para as empresas dos países lusófonos”. A Feira de Cantão, considerada um dos mais importantes eventos do calendário promocional chinês, conta com a participação de mais de quatro mil empresas nacionais e mil estrangeiras e está agendada para os dias 15 a 18 de Setembro, logo após a realização da Feira Internacional de Macau.
Por seu turno, o secretário geral do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, Wang Chegan, sublinhou o crescimento, nos últimos anos, do valor global das trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa. Em 2004 esse valor cresceu 65 por cento em comparação com 2003 e em 2005 atingiu o montante de 23,19 mil milhões de dólares norte-americanos, o que corresponde a um aumento de 26,9 por cento em relação ao ano precedente.
Entretanto, o ministro por­tu­guês da Economia, Manuel Pinto, confirmou já a sua presença na 2a Conferência Ministerial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que Macau acolhe no próximo mês de Setembro. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado do Comércio, Fer­nando Serrasqueiro, que se deslocou à cidade de Weifang, província de Shandong, para participar no Fórum de investimento daquela cidade que este ano destacou Portugal. O secretário de Estado acrescentou que a visita de Manuel Pinto preparará a visita do primeiro-ministro português, José Sócrates, à China num futuro próximo, em resposta ao convite que lhe foi endereçado pelo seu homólogo chinês Wen Jiabao.

ARTIGO