Terça-feira, Julho 7, 2020
Inicio China China está na Madeira para conhecer estrutura da autonomia

China está na Madeira para conhecer estrutura da autonomia

“Hoje ficou claro que cada vez mais vivemos numa aldeia global, em que é necessário pensar e agir globalmente, e o facto de uma delegação da Assembleia Popular Nacional da China vir à Região [da Madeira] quase expressamente para ouvir da parte do presidente da Assembleia Legislativa da Madeira a sua opinião sobre um conjunto de questões ligadas à autonomia, é positivo para a Madeira e também para Portugal”, disse Tranquada Gomes aos jornalistas, após o encontro.

O responsável pelo parlamento madeirense referiu que recebeu “uma delegação da Assembleia Popular Nacional da China, chefiada pelo presidente da Comissão de Lei Básica das Regiões Administrativas Especiais de Hong Kong e Macau, e composta por outros membros desta comissão”.

O presidente do principal órgão de Governo próprio da Madeira destacou que, “nos últimos anos, intensificou-se o relacionamento entre Portugal e a China e esta comissão entendeu que era importante ouvir a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira” para ouvir “como funciona o sistema autonómico regional, porque a China tem as duas regiões especiais de Macau e Hong Kong”.

Segundo Tranquada Gomes, “eles [comissão do parlamento da China] consideraram oportuno saber como é que as autonomias em Portugal estão estruturadas”, tendo colocado várias questões “não só formais, como políticas”.

“Foi importante o debate político sobre a questão da autonomia, porque a República da China tem duas regiões administrativas especiais, Macau e Hong Kong, com alto grau de autonomia, superior, obviamente, às autonomias regionais da Madeira e Açores, mas fica também o testemunho como uma Assembleia Popular Nacional chinesa tem a humildade de vir à Madeira para connosco repensar estas questões”, sublinhou.

O presidente do parlamento madeirense referiu ainda que esta foi mais do que uma visita de cortesia, porque “também foi de trabalho”, tendo colocado à disposição daquela comissão chinesa o seu gabinete para “esclarecer dúvidas que possam subsistir”.

“Julgo que ficou aqui traçado um caminho de cooperação entre a Assembleia Legislativa da Madeira e a Assembleia Popular Nacional da China”, vincou, adiantando “ter ficado a promessa no ar deste intercâmbio se manter e desenvolver para o futuro”.

Tranquada Gomes admitiu sentir-se satisfeito pelo facto de ser um parlamento com a dimensão da China a ir à Madeira “ouvir a Assembleia Legislativa sobre a questão das autonomias regionais”.

ARTIGO