Terça-feira, Abril 20, 2021
Inicio Educação Estudo vê padrão em portugueses que emigraram para Macau

Estudo vê padrão em portugueses que emigraram para Macau

RuadeSPaulo_Rua das Estalagens_1973_Karsten Petersen

Vanessa Amaro, que defendeu, na sexta-feira, na Universidade de Macau, a tese de doutoramento “Identidade e questões do estatuto sociocultural na comunidade portuguesa na Macau pós-colonial” (tradução livre do inglês), dividiu a amostra entre os que chegaram antes de 1999 e os que vieram na onda de um novo fluxo migratório, principalmente desde 2005.

“Uma coisa comum é que todos pensam Macau como uma coisa muito temporária”, disse à Lusa Vanessa Amaro, recordando que muitos dos que chegaram antes da transição nunca compraram casa, não aprenderam chinês nem criaram relações profundas com a comunidade chinesa porque sempre tiveram a intenção de “um dia ir embora”.

Os mais recentes têm o mesmo discurso e olham o território como “um trampolim profissional, como uma forma de ganhar experiência profissional, de fazer poupanças, para depois se mudarem para um destino que não necessariamente Portugal”.

Outro denominador comum é a recusa do termo “emigrante” para definir um português que vive em Macau, por ser “pejorativo”.

Agarram-se, por um lado, ao “peso da história”, considerando ter um “papel importante” a desempenhar e “uma posição privilegiada”, soando como “uma ofensa” colocá-los em pé de igualdade como outras comunidades, como os filipinos. Por outro lado, “querem distanciar-se da figura do típico português dos anos 60/70, pouco qualificado”, vendo-se “diferentes” de outros portugueses espalhados pelo mundo, explicou Vanessa Amaro, com a ressalva de que não se pode generalizar.

“Encontrei muita gente a tentar encontrar outro termo”, contou a investigadora, considerando que “tem muito a ver com a necessidade de a comunidade se tentar posicionar como elite”.

Neste âmbito, destaca a “bolha” em que vivem alguns portugueses, que adoptaram a ideia de que podem fazer a sua vida sem precisar de aprender chinês porque “têm as suas rotinas, os seus amigos, fecham-se nos seus grupos e fazem toda a sua vida no circuito português”. Sintomaticamente, só seis dos entrevistados falavam fluentemente cantonense.

“Entrevistei pessoas que tinham chegado há muito pouco tempo e eram muito contaminadas pelo discurso daqueles que estavam cá há mais tempo (…) e também lembraram ou enfatizaram diferenças culturais ou de comportamento dos chineses como um factor para não querer ter grandes relações com o lado de lá”, realçou.

A barreira cultural da língua pesa e “essa cortina de vidro sempre existiu e sempre houve intermediários (…), mas a questão é que não há interesse da comunidade portuguesa em aprender de forma generalizada”, considerou.

Internamente, consideram-se parte da comunidade portuguesa, mas questionam-na “como um todo, o seu papel, os seus comportamentos, tal como por que é as pessoas não se ajudam ou não são mais solidárias”.

“Porém, em termos mais abstratos, o papel dos portugueses merece unanimidade”, disse Vanessa Amaro.

“Todos concordam que são muito importantes para o futuro, não só pela história, mas também pelo próprio desenvolvimento, para manter a identidade única de Macau, para evitar que a cultura portuguesa seja modificada, vendida, embrulhada para os chineses como uma coisa de Macau. Acham que é importante também manter o que é português como português e não como uma coisa de Macau”, como é o caso do simples pastel de nata, ilustrou.

O estudo também identificou padrões nas razões que trouxeram os portugueses a Macau antes e depois de 1999 e nos motivos que os levam a permanecer, como as questões financeiras.

Aqueles que chegaram mais recentemente são “pessoas à procura do primeiro emprego, estagnadas na carreira ou desempregados de longa duração”.

Os que chegaram antes de 1999 ficaram porque “apesar de lhes terem sido oferecidas posições similares em Portugal (…), acreditavam que as condições não seriam tão benéficas”, porque criaram raízes e família no território ou pela “curiosidade de ver como seria a nova Macau”.

Outros (quatro em 60), com ligações político-partidárias, quando regressaram a Portugal, “sentiram que não podiam ser tão importantes como eram [em Macau]”.

ARTIGO