Sexta-feira, Junho 5, 2020
Inicio Arquitectura Nova biblioteca central de Macau pode custar menos do que estava estimado

Nova biblioteca central de Macau pode custar menos do que estava estimado

“Através do diálogo, chegámos a dois objectivos. Primeiro quero esclarecer que o orçamento de 900 milhões de patacas não é um valor exacto, não é um montante concreto. Prevemos que possa ser reduzido, é uma estimativa”, afirmou Guilherme Ung Vai Meng, em conferência de imprensa.

A nova biblioteca central, um projecto previsto para o edifício do antigo tribunal e polícia judiciária, no coração da cidade, contempla 11 pisos e uma área de 33.000 metros quadrados.

Em 2008 foi objecto de um concurso público, que entretanto foi alvo de uma investigação do Comissariado Contra a Corrupção (CCAC) e posteriormente suspenso, segundo a imprensa local. “Na altura, o Instituto Cultural, que promoveu o concurso de ideias para o edifício, pediu ao CCAC uma investigação porque os dois primeiros lugares do concurso foram entregues a propostas diferentes, mas apresentadas pela mesma arquitecta, Vong Man Cheng, que trabalhava para a CAA, empresa responsável pelo estudo preliminar”, escreveu o Jornal Tribuna de Macau.

O orçamento da nova biblioteca central de Macau foi referido na sexta-feira pelo presidente da Assembleia Legislativa, que disse que, caso o projecto fosse confirmado, iria chamar o Governo no início da próxima sessão legislativa, em Outubro, para explicar o valor. “Não temos elementos [suficientes], precisamos de uma sessão de apresentação”, disse Ho Iat Seng, durante o balanço anual dos trabalhos do hemiciclo.

Entretanto, Ung Vai Meng disse que “o Instituto Cultural não é, de facto, o empreiteiro; é o utilizador”. “Esta verba de 900 milhões de patacas é referente ao ano de 2015 e prevê um aumento de 5% da inflação ao ano. Mas será que o aumento da inflação vai ser 5% ao ano? (…) Se a inflação não for tão alta vai descer para 700 milhões de patacas”, afirmou.

Segundo Ung Vai Meng, o valor foi apresentado pelas Obras Públicas, com base em cálculos sobre custos de materiais até 2019 e valor do preço do metro quadrado.

O presidente do Instituto Cultural observou que se trata de um projecto preliminar e que na próxima fase é preciso aprofundar o design detalhado da nova biblioteca central.

Segundo informação divulgada no início do mês pela TDM, em Setembro começa o concurso público para demolir parte do edifício e as obras de demolição deverão arrancar no final deste ano ou início de 2017. Posteriormente será adjudicado o concurso para o projecto de arquitectura, e o objectivo é ter concluído o de “design profundo” em 2018.

O concurso deverá atrair “talentos locais” e não deverá ser aberto a designers internacionais, disse Ung Vai Meng. “Temos de fazer isto aberto, transparente e justo, [mas neste fase] não podemos divulgar mais sobre o assunto”, afirmou.

De acordo com a TDM, a nova biblioteca central deverá abrir portas em 2020.

ARTIGO