Quinta-feira, Julho 9, 2020
Inicio Espectáculos & Exposições Cartaz :: Outubro e Novembro de 2016

Cartaz :: Outubro e Novembro de 2016

ESPECTÁCULOS

AGENDA

 

Festival Internacional de Música de Macau

Fado, jazz, Charles Chaplin e muita ópera para celebrar Bodas de Pérola

 

Na sua 30.ª edição, o Festival Internacional de Música de Macau, que se desenrola até ao final de Outubro, inclui no seu cartaz 20 espectáculos, num total de 27 actuações. Além de Portugal, chegam a Macau artistas e grupos da Rússia, Estados Unidos, Alemanha, França, Reino Unido ou Mongólia.

No ano em que se comemoram as Bodas de Pérola do Festival Internacional de Música de Macau (FIMM), o cartaz de espectáculos e actividades extras pretende agradar a gregos e troianos. A fadista Carminho e o pianista Adriano Jordão são as propostas portuguesas do certame, que este ano decorre entre 1 e 30 de Outubro.

Carminho, que este ano lançou o álbum Canto, vai atuar na Fortaleza do Monte, património da UNESCO, a 15 de Outubro. A fadista, que em 2013 foi premiada nos Globos de Ouro como “melhor intérprete individual” e com o prémio Carlos Paredes, será acompanhada em Macau por Luís Guerreiro na guitarra portuguesa, Flávio Cardoso na viola, Marino de Freitas no baixo, Ivo Costa na bateria e Rúben Alves no teclado.

Já o pianista Adriano Jordão, que foi o primeiro director artístico do FIMM, apresenta “Reencontro” no Teatro Dom Pedro V, também património da humanidade da UNESCO, a 21 de Outubro. O repertório do pianista português será composto por obras clássicas de compositores alemães e austríacos, incluindo uma sonata para piano de Haydn, variações sobre God Save the King de Beethoven e as peças Kreisleriana e Arabeske de Schumman. O pianista seleccionou ainda a obra Cinco Prelúdios, do compositor português do século XX Armando Fernandes.

O festival, dedicado ao tema “Gloriosos 30 – As sino-rapsódias”, abre com uma produção própria, com a ópera em três actos de Giacomo Puccini, sobre o romance entre a princesa chinesa Turandot e Calaf, príncipe da Tartária.

Para assinalar os 400 anos da morte do dramaturgo Tang Xianzu, o festival produziu a primeira obra de câmara original de Macau intitulada “Sonho de um Aroma”, adaptada a partir da viagem de Tang à cidade em 1591.

Destaque também para o concerto de encerramento, “Chaplin Outra Vez”, em que o compositor norte-americano Timothy Brock vai dirigir a Orquestra de Macau no acompanhamento ao vivo dos filmes do génio humorístico do cinema mudo, num espectáculo ao ar livre, no Parque Dr. Carlos D’Assumpção, próximo à estátua de Kum Iam.

No programa também há várias opções para os amantes do jazz. O crème de la crème dos trompetistas de jazz da era contemporânea Roy Hargrove interpreta diversas obras de Miles Davis, enquanto que os grupos The Red Groove Project, Eugene Pao Group, Minyen Hsieh e Symbiosis Trio e o Quinteto Hon Chong Chan irão unir-se para proporcionar seis horas de música jazz.

Na apresentação à imprensa, o presidente do Instituto Cultural de Macau, Ung Vai Meng, disse que o FIMM “é um dos festivais mais antigos da Ásia” e que tem contribuído para elevar o nível cultural da cidade. “É muito importante para a imagem de Macau”, disse, salientando a importância da cultura numa cidade “muito rica”.

 

Festival internacional de Música de Macau

De 1 a 30 de Outubro

Programa completo disponível em http://www.icm.gov.mo/fimm/30/

 

*****

OUTROS ESPECTÁCULOS

 

Quinteto de Cordas da Filarmónica de Berlim (Alemanha)

Este concerto propõe uma viagem musical através do período clássico (Mozart), romântico (Dvorˇák, Tchaikovsky e outros) e moderno (Respighi e Piazzolla), permitindo ao público apreciar o estilo refinado e cortês do século XVIII, sentir a expressividade apaixonada das óperas românticas e o exotismo da música espiritual afro-americana e do tango argentino.

 

3 de Outubro, 20:00

Teatro D. Pedro V

Bilhetes desde MOP 250

 

 

Minimalismo, Colin Currie Group (Reino Unido)

Este concerto oferece três obras de percussão espirituosas. Por exemplo, a obra Music for

Pieces of Wood é executada com apenas cinco pares de claves afinadas, enquanto Drumming é uma combinação de percussão, vozes humanas e assobios. O agrupamento britânico é especializado na música de Steve Reich.

 

7 de Outubro, 20:00

Centro Cultural de Macau

Bilhetes desde MOP 200

 

 

Voz da Estepe Mongol (Mongólia)

O grupo Mongolian State Morin Khuur Ensemble apresenta ao público a autêntica música tradicional da Mongólia, numa viagem ao vasto planalto mongol através das suas vozes e

melodias.

 

8 de Outubro, 20:00

Fortaleza do Monte

Bilhetes a MOP 150

 

 

Num Jardim Italiano (França)

O concerto dá a conhecer ao público obras líricas italianas dos séculos XVI a XVII. Será

apresentado por jovens cantores do Le Jardin des Voix, a academia de master classes do ensamble.

 

18 de Outubro, 20:00

Centro Cultural de Macau

Bilhetes desde MOP 150

 

 

As Lendas Russas (Rússia)

A Orquestra do Teatro Mariinsky escolheu para Macau as sinfonias n.º 1 e n.º 5 de Shostakovich. Ambas as obras reflectem a tremenda mudança registada na sua atitude e estilo de composição, revelam a sua experiência de vida e retratam a sociedade ocidental no séc. XX.

 

23 de Outubro, 20:00

Centro Cultural de Macau

Bilhetes desde MOP 300

 

***

EXPOSIÇÕES

AGENDA

O melhor dos artistas de Macau

 

São 56 obras que mostram o talento de artistas locais nas áreas da pintura chinesa, pintura ocidental e caligrafia. A Exposição Colectiva dos Artistas de Macau está de volta e traz ao público uma selecção do que de melhor se tem feito na RAEM. Para ver até 30 de Outubro.

A competição foi renhida: 260 obras foram colocadas ao escrutínio do júri da edição deste ano da Exposição Colectiva dos Artistas de Macau. As 56 seleccionadas, divididas em três categorias (pintura chinesa, pintura ocidental e caligrafia), ficam agora disponíveis para a apreciação do público até 30 de Outubro, na Galeria de Exposições Temporárias do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM).

Na sua 32.ª edição, a Exposição Colectiva dos Artistas locais atribuiu a Lam Wun Keng o prémio especial para a Melhor Criação e o prémio de Melhor Execução de Pintura Ocidental pelo seu tríptico sobre a Casa do Mandarim, a Rua dos Ervanários e o Hotel Estoril, obras que retratam a preocupação da artista com a preservação dos edifícios antigos e os modos de vida tradicionais de Macau. Tam Chon Kit, um participante recorrente na mostra colectiva, levou o prémio de Melhor Execução de Pintura Chinesa, com o “Conversas privadas no Jardim Lou Lim Ieoc”. A obra “Fantasia” de Leong Lampo, professor na Universidade de Missouri-Columbia, conquistou o prémio de Melhor Execução de Caligrafia Chinesa, sendo constituída pela escrita simples em chinês de dois caracteres. Apesar de serem apenas dois caracteres, as pinceladas, segundo o parecer do júri, transbordam de contrastes e ritmo e expressam os limites da fantasia, numa busca do sentido espiritual da filosofia de Laozi e Zhuangzi.

Para os artistas estreantes, a organização, a cargo do Instituto Cultural de Macau, criou a categoria Novos Talentos, com o objectivo de reconhecer os esforços dos mais novos e encorajá-los a buscar o seu talento. Pela primeira vez foram contemplados dois jovens na categoria de Caligrafia Chinesa, pelo que foram atribuídos quatro destes prémios nas três categorias a Chan Chong Hei (pintura chinesa), Chan In Iong (pintura ocidental), e Un Ka Ian e Guan Seng Lok (ambos na caligrafia chinesa). A mostra dos novos talentos, com 33 obras dos três vencedores, estará patente na Galeria Ho Yin do Clube Militar.

 

 

32.ª Exposição Colectiva dos Artistas de Macau

Até 30 de Outubro

Galeria de Exposições Temporárias do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais e Galeria Ho Yin do Clube Militar

09:00-21:00

Entrada livre

 

 

*****

OUTRAS EXPOSIÇÕES

 

60.º Aniversário da Associação dos Artistas de Belas-Artes de Macau – Uma Retrospectiva

Selecção de 60 obras de grande valor artístico e comemorativo da autoria de 36 antigos artistas da Associação. A exposição apresenta obras de pintura a óleo, aguarela, pintura tradicional chinesa e caligrafia, bem como uma série de raras pinturas colaborativas criadas exclusivamente para o Dia Nacional da República Popular da China. Abrangendo técnicas chinesas e ocidentais, a mostra inclui ainda obras de arte de diferentes géneros, desde pinturas tradicionais chinesas de paisagens naturais, flores e pássaros, retrato, desenhos de natureza morta, caligrafias, colagem, pintura abstracta, bem como obras de banda desenhada.

 

Até 4 de Dezembro

Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau

Entrada livre

 

 

Ligação com a Água

Com o intuito de promover o desenvolvimento da arte da escultura contemporânea em Macau, o Museu de Arte de Macau lança uma série de exposições de artistas locais. Até 8 de Janeiro, é a vez de Yang Xiaohua expor a obra “Ligação com a Água”, em frente ao edifício do museu. ” A escultura de aço é composta por três gotas de água de diferentes dimensões, que representam Macau, Zhuhai e Hong Kong. A base ondulada alude ao facto do Rio das Pérolas ligar as três cidades.

 

Até 8 de Janeiro

MUSEU DE ARTE DE MACAU

Entrada livre

 

 

Pregas e Dobras de Noël Dolla

São 32 obras do artista francês Noël Dolla que fazem parte das celebrações do festival Le French May deste ano. Os trabalhos incluídos nesta exposição atravessam a carreira criativa de mais de 40 anos do artista, desde os anos 1960 até à actualidade. A exposição inclui também fotografias de obras diversas exibidas por Noël Dolla pelo mundo.

 

Até 9 de Outubro

Galeria do Tap Seac

Entrada livre

 

 

Figures in Motion

Uma colecção de 74 peças de bronze do pintor e escultor francês Edgar Degas está em exposição no MGM Art Space até finais de Novembro. Figures in Motion, inserida no festival Le French May, inclui “Little Dancer Aged Fourteen”, uma das mais famosas criações do artista.

 

Até 20 de Novembro de 2016

MGM Art Space

Entrada livre

ARTIGO