Quarta-feira, Dezembro 2, 2020
Inicio Ciência Academia de Medicina de Macau prometida para “meados do ano” com médicos...

Academia de Medicina de Macau prometida para “meados do ano” com médicos portugueses

“O Governo da RAEM [Região Administrativa Especial de Macau] está a dar muita importância às políticas de saúde. Em meados deste ano vamos ter uma Academia de Medicina e iremos aumentar o número de pessoal, sobretudo médicos especialistas, e contratar médicos especialistas ao exterior, por exemplo, de Portugal”, disse Alexis Tam, na Assembleia Legislativa, numa sessão de interpelações dos deputados ao executivo.

A formação desta academia, para promover o desenvolvimento contínuo dos profissionais de saúde, veio referida nas Linhas de Acção Governativa para 2016 e voltou a surgir no programa do Governo para este ano.

O documento indica que “foram realizados os trabalhos preparatórios para a criação da Academia de Ciências Médicas e os trabalhadores de saúde continuaram a ser mobilizados para a formação em serviço, no sentido de melhorar constantemente a qualidade da prestação de cuidados de saúde”.

Em Janeiro de 2016, Alexis Tam disse que a academia, que vai ser “orientada pelos Serviços de Saúde” e para a qual serão “contratados médicos com grande experiência clínica de Portugal e da China para a orientação dos formandos”, não vai estar localizada na Universidade de Macau, desconhecendo-se a futura localização.

Durante a sessão no hemiciclo, Tam voltou também a insistir na importância da formação de quadros bilingues e no desejo de tornar Macau num centro de formação de língua portuguesa na região da Ásia-Pacífico, projecto para o qual os portugueses residentes na cidade podem contribuir. “Antes do retorno à pátria havia portugueses em Macau e depois do retorno também há portugueses a viver em Macau, e estes também podem contribuir para a transformação de Macau para uma base de talentos bilingues”, afirmou.

O secretário garantiu que o Governo “investiu muitos recursos” na formação de bilingues, “tanto nas universidades, como nas instituições de ensino não superior e no ensino infantil”, incluindo uma “nova política para que os estudantes possam aprender línguas estrangeiras, por exemplo, em Portugal”.

“Estamos a proceder às formalidades administrativas. Sei que muitos alunos estão interessados em aprender português”, disse.

ARTIGO