Quarta-feira, Abril 8, 2020
Inicio Moçambique Saúde à distância de um clique

Saúde à distância de um clique

Texto Dalton Sitoe (Em Moçambique)

O Hospital de Aliança Internacional de Internet oferece sessões permanentes de teleconsulta entre as duas instituições de saúde, para além de viabilizar a realização de diferentes programas de formação médica especializada, por meio de um sistema de videoconferência. A plataforma de teleconferência foi doada pela China e é avaliada em cerca de um milhão de dólares norte-americanos.

As actividades do hospital online consistem no intercâmbio de informações válidas para pesquisa, diagnósticos, prevenção e tratamento de doenças. Com esta nova plataforma passa também a ser possível discutir casos clínicos com maior precisão, a partir de uma interacção em tempo real entre profissionais de saúde residentes em Moçambique e na China.

Os laços de amizade entre o HCM e o West China Hospital datam de 1976, quando a instituição chinesa começou a enviar equipas médicas qualificadas a Moçambique para cumprir missões humanitárias, prestando assistência a milhares de moçambicanos nos últimos 40 anos.

No discurso de apresentação da plataforma, o embaixador da China em Moçambique, Su Jian, destacou os laços de cooperação que a China tem com Moçambique e os resultados alcançados na área de saúde nos últimos anos. “A saúde sempre constituiu uma das áreas prioritárias de intercâmbio e cooperação entre a China e Moçambique. Nos últimos anos, a cooperação entre os dois países nesta área tem sido frutífera e tem alcançado resultados notáveis. Exemplo disso é o edifício da Pediatria do Hospital Central da Beira e o donativo do equipamento”, frisou o diplomata.

Por seu turno, a ministra da Saúde de Moçambique, Nazira Abdula, apreciou positivamente o apoio ininterrupto que o Governo da China tem prestado aos vários sectores em Moçambique, em particular ao da saúde. “A China foi sempre um importante parceiro, inclusive no desenvolvimento de infra-estruturas de saúde, tendo doado vários equipamentos médicos, bem como prestado assistência técnica através do envio de uma equipa médica permanente e fixa ao HCM. O Governo moçambicano agradece o apoio da China.”

 

Novo hospital a caminho

Em Novembro passado, o embaixador chinês Su Jian anunciou que o Governo da China irá apoiar Moçambique na construção de um novo hospital central em Maputo, em substituição do actual, com mais de 100 anos. Segundo o diplomata, a China já tem prestado apoio ao sector da saúde em Moçambique através da construção e melhoria de infra-estruturas sanitárias no país. Em 2017, um novo bloco pediátrico, construído e equipado com apoio da China, entrou em funcionamento no Hospital Central da Beira, Moçambique.

Saúde, educação e agricultura são “as áreas prioritárias de cooperação internacional da China com o continente africano para os próximos anos”, realçou o diplomata. A situação do atendimento na principal unidade de saúde da capital moçambicana “não é boa e gostaríamos de ter um hospital moderno aqui em Moçambique que também tivesse a componente da medicina chinesa”, referiu, na ocasião, Hussen Isse, director nacional de Assistência Médica do Ministério da Saúde.

As partes acordaram em “iniciar imediatamente a preparação das condições necessárias” para que “nos próximos tempos” sejam assinados memorandos de entendimento com vista à materialização do projecto, concluiu. A China tem sido parceira de Moçambique na construção e financiamento de alguns dos principais empreendimentos públicos mais recentes no país, tais como a ponte sobre a baía de Maputo e respectiva rede de estradas ou o aeroporto internacional de Xai-Xai, em construção.

Entidades de Moçambique e da China assinaram há um ano, em Pequim, oito memorandos de entendimento nas áreas das infra-estruturas, indústria, telecomunicações, agricultura e serviços financeiros, durante um fórum de negócios que decorreu em paralelo com a terceira edição do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC). 

ARTIGO