Segunda-feira, Maio 25, 2020
Inicio Economia Ex-governante Alexis Tam vai representar território em Portugal e na UE

Ex-governante Alexis Tam vai representar território em Portugal e na UE

De acordo com dois despachos publicados em Boletim Oficial hoje, dia em que tomou posse o novo Executivo de Macau, liderado por Ho Iat Seng, ambas as nomeações têm o período de um ano.

Alexis Tam, que deixou hoje, ao final de cinco anos, a pasta dos Assuntos Sociais e Cultura no Governo da região, foi distinguido em março deste ano com o doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Lisboa, que reconheceu o seu empenho no desenvolvimento do ensino e da língua portuguesa em Macau.

No currículo, o ex-governante de Macau, nascido em julho de 1962, em Myanmar, conta ainda com um doutoramento em gestão de empresas na Universidade de Nankai, na China, e com um mestrado em gestão de empresas internacionais na Universidade de Glasglow, no Reino Unido.

No Governo de Macau, antes de assumir a pasta dos Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam foi chefe de gabinete do líder do Executivo e porta-voz Governo.

O novo Governo de Macau, liderado por Ho Iat Seng, tomou hoje posse perante o Presidente da República Popular da China, Xi Jinping.

Trata-se do quinto Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), que celebra hoje o seu 20.º aniversário, depois de em 20 de dezembro de 1999 o território ter voltado à tutela da China, após mais de 400 anos de administração portuguesa.

Do Governo anterior, continuam, nas mesmas pastas, Wong Sio Chak, como secretário para a Segurança, e Raimundo Arrais do Rosário, como secretário para os Transportes e Obras Públicas.

Hoje foi também nomeado um novo comandante do Corpo de Polícia e Segurança Pública (CPSP). De acordo com um despacho publicado em Boletim Oficial, Ng Kam Wa assume o cargo pelo período de um ano.

A transferência da administração de Macau de Lisboa para Pequim, em 1999, foi feita sob a fórmula ‘um país, dois sistemas’, que garante ao território um elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário.

A fórmula aplica-se também à outra região da China com esta administração especial, Hong Kong, onde os últimos seis meses têm sido marcados por protestos.

ARTIGO