Domingo, Julho 12, 2020
Inicio China Ho Iat Seng | Futuro passa por patriotismo, integração e cooperação sino-lusófona

Ho Iat Seng | Futuro passa por patriotismo, integração e cooperação sino-lusófona

No seu primeiro discurso na qualidade de chefe do Executivo, Ho Iat Seng sublinhou os “sólidos alicerces de desenvolvimento” e os “progressos notáveis” de Macau assegurados pelos dois antecessores nos últimos 20 anos, com a ajuda do Governo central e sustentou que o caminho a seguir agora também tem de incluir a diversificação da indústria turística, o programa internacional de Pequim “Uma faixa, uma rota” e o projeto regional de construção de uma metrópole mundial que vai juntar o território, Hong Kong e nove cidades da província chinesa de Guangdong.

Por outro lado, o ex-presidente da Assembleia Legislativa (AL) prometeu “acelerar o planeamento urbano, a construção de habitações públicas, melhorar o trânsito, reforçar a proteção ambiental e impulsionar o desenvolvimento da renovação urbana e também da cidade inteligente”.

O novo chefe do Governo destacou o facto de Macau possuir “vantagens únicas” pelo seu “multiculturalismo”, como ponte entre o oriente e o ocidente e entre a China e os países de língua portuguesa, um posicionamento que pode ser potenciado, sustentou, pelo seu novo Governo que hoje tomou posse, e pelos vários setores da sociedade, sempre com o apoio de Pequim, sob o princípio “um país, dois sistemas”.

“Iremos reforçar os cursos de formação sobre a situação nacional aos funcionários públicos, no sentido de elevar a sua consciência nacional” e “reforçar a o patriotismo dos jovens” para “assegurar que o amor à pátria e o princípio ‘Um país, dois sistemas’ sejam transmitidos de geração em geração”, acrescentou.

O novo Governo de Macau, liderado por Ho Iat Seng, tomou hoje posse perante o Presidente da República Popular da China, Xi Jinping.

Trata-se do quinto Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), que celebra hoje o seu 20.º aniversário, depois de em 20 de dezembro DE 1999 o território ter voltado à tutela da China, após mais de 400 anos de administração portuguesa.

Na cerimónia da tomada de posse estiveram presentes os anteriores chefes do Governo a RAEM, Edmund Ho e Fernando Chui Sai On, que exerceram ambos dois mandatos no cargo, e a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam.

A transferência da administração de Macau de Lisboa para Pequim, em 1999, foi feita sob a fórmula ‘um país, dois sistemas’, que garante ao território um elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário.

A fórmula aplica-se também à outra região da China com esta administração especial, Hong Kong, onde os últimos seis meses têm sido marcados por protestos o poder político.

ARTIGO