Quarta-feira, Abril 8, 2020
Inicio Macau Metro Ligeiro já circula

Metro Ligeiro já circula

Texto Sandra Lobo Pimentel | Fotos Gonçalo Lobo Pinheiro

Foi a 10 de Dezembro que entrou em funcionamento o Metro Ligeiro de Macau. A cerimónia de inauguração realizou-se no Parque de Materiais e Oficina do Metro Ligeiro, e foi presidida pelo Chefe do Executivo à data, Chui Sai On, e pelo Secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário.

Prometida e idealizada há mais de uma década, é a primeira linha de Metro Ligeiro de superfície, automático, sem condutor, com tracção eléctrica e sobre carris de betão. Raimundo do Rosário lembrou a promessa que fez quando assumiu o cargo de secretário do IV Governo da RAEM. “Prometi que ia inaugurar esta linha até ao final do meu mandato [20 de Dezembro] e estou naturalmente satisfeito por ter conseguido cumprir”, disse após a cerimónia.

A linha da Taipa do Metro Ligeiro, com um comprimento de 9,3 quilómetros, tem um total de 11 estações, abrange as zonas residenciais principais do centro da Taipa, os bairros antigos e as zonas turísticas, como também liga os três postos fronteiriços por via marítima, terrestre e aérea: o terminal marítimo da Taipa, o posto fronteiriço do Cotai e o Aeroporto Internacional de Macau.

Além disso, a fim de maximizar ainda mais a eficiência desta linha, o Governo já iniciou os trabalhos de construção da ligação até à Barra e da linha de Seac Pai Van, bem como o estudo da linha Leste.

O Parque de Materiais e Oficinas da primeira fase do Metro Ligeiro, situado a sul do Aeroporto Internacional de Macau e a oeste da Avenida do Aeroporto, ocupa uma área de cerca de 130 mil metros quadrados e desempenha um papel fundamental no Sistema de Metro Ligeiro de Macau, sendo composto principalmente pelo edifício operacional (centro de controlo de operação), oficina e edifício de manutenção, parqueamento das carruagens e zona de lavagem. Dentro do Parque de Materiais e Oficinas, há uma linha de ensaio com comprimento de cerca de 600 metros, destinada à realização de testes às carruagens.

O percurso entre a primeira e a última estação, com paragens, deverá rondar os 25 minutos. O Governo adquiriu 110 carruagens, com uma capacidade máxima de 100 pessoas em cada. Cada composição terá entre duas e quatro carruagens, ou seja, em cada viagem podem viajar no novo transporte da RAEM até 400 pessoas.

As tarifas foram publicadas em Boletim Oficial no mesmo dia da inauguração, e vão desde as seis patacas por uma zona, que inclui três estações, até 10 patacas para percorrer toda a linha.

O sistema será igual ao do serviço de autocarros, explicou Raimundo do Rosário, sublinhando que bebés, idosos e pessoas com deficiência estão isentos, enquanto crianças, estudantes e portadores do cartão electrónico pré-pago do metro terão descontos entre 50 e 75 por cento.

Também presente na cerimónia, o presidente da Comissão Executiva da Sociedade do Metro Ligeiro de Macau, S.A., Ho Cheong Kei, referiu no seu discurso que “o Metro Ligeiro pode, após a sua entrada em funcionamento, prestar aos residentes um sistema de transporte colectivo eficiente, fiável e amigo do ambiente, ajudando a melhorar as instalações complementares de transporte e as condições de mobilidade, de modo a criar uma comunidade ecológica e elevar a qualidade de vida da população”.

O presidente referiu a despesa total com a Linha da Taipa, incluindo o Parque de Materiais e Oficina, os sistemas e as composições e as obras de construção civil, no montante de menos de 11 mil milhões de patacas, e deixou garantias de que a Sociedade do Metro Ligeiro “vai executar bem a sua operação, para garantir os serviços confortáveis e fiáveis”.

A primeira viagem

A primeira composição, com duas carruagens, partiu da Estação do Terminal Marítimo da Taipa, às 15h33 e até ao dia 31 de Janeiro os residentes viajaram gratuitamente com o bilhete único de viagem distribuído pelos trabalhadores nas estações.

O bilhete é uma moeda plástica válida para uma única deslocação, que foi entregue nos controlos de acesso aos passageiros para que pudessem seguir viagem. A partir de Janeiro os bilhetes passaram a ser vendidos nas bilheteiras à entrada de cada estação.

Os horários de funcionamento são de segunda a quinta-feira das 6h30 às 23h15 e de sexta-feira a domingo e nos feriados, das 6h30 às 23h59. A frequência de passagem das carruagens é de cinco a 10 minutos.

Milhares de pessoas fizeram fila para estrear o novo transporte da RAEM. Vários trabalhadores da Sociedade do Metro Ligeiro de Macau distribuíram panfletos com informações sobre o novo meio de transporte.

De acordo com entidade que gere o novo transporte, mais de 215 mil passageiros utilizaram o Metro Ligeiro na primeira semana de funcionamento. Só nos primeiros três dias, houve uma afluência de 68 mil pessoas.

O Governo tem previsto construir mais duas linhas, a da península de Macau e a de Coloane, mas ainda não divulgou os planos de construção.

A extensão do metro até à Barra, no sul da península de Macau, estará pronta até 2023, com a ligação feita no piso inferior da ponte Sai Van, disse o secretário. Raimundo do Rosário acrescentou que já está também a trabalhar numa nova linha para o complexo de habitação pública de Seac Pai Van, em Coloane, e na ligação com o comboio rápido que vem de Cantão e termina na vizinha Ilha da Montanha.

Já em Dezembro do ano passado, na apresentação sectorial das Linhas de Acção Governativa, Raimundo do Rosário afirmou que a primeira linha do metro ligeiro seria inaugurada no ano seguinte, contando agora como promessa cumprida.

As obras das primeiras estações e viadutos arrancaram simbolicamente em Fevereiro de 2012, para um projecto que se calculava, na época, estar “em andamento” em meados de 2015. Na altura, o investimento estimado era também de 11 mil milhões de patacas.

Em Julho de 2014, o Gabinete de Infra-estruturas de Transportes indicava que a linha da Taipa devia estar concluída até ao final de 2016, prevendo que o metro pudesse estar a funcionar em pleno em 2022, previsão actualizada agora para o ano seguinte.

O metro é uma das principais obras públicas desde a criação da RAEM, em 1999. Dividido entre a linha da Taipa e a da península de Macau, a linha tem previstas ligações a Coloane, à ilha da Montanha e, aqui, à linha ferroviária Cantão-Zhuhai. Os trabalhos devem estar concluídos em 2023, de acordo com as autoridades. Na linha da península de Macau, os planos prevêem ligações à ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau.

ARTIGO