Terça-feira, Setembro 22, 2020
Inicio Arte Rui Rasquinho: a literatura desenhada

Rui Rasquinho: a literatura desenhada

A mostra de trabalhos do ilustrador Rui Rasquinho está de portas abertas na Vila da Taipa para depois seguir para a Casa Garden. Até 3 de Julho é possível seguir o novo caminho na ilustração trilhado pelo artista português

Texto Catarina Mesquita

“Who needs a man who sits and wails out in the cold?” baptiza a mostra de ilustrações que Rui Rasquinho foi desenvolvendo ao longo de sete anos e que deram as mãos a textos da literatura clássica chinesa publicados no jornal Hoje Macau entre 2012 e 2019.

O título é uma tradução de um verso do poema “Let Wine Be Brought In” de Li He, poeta da Dinastia Tang e que, segundo o artista, representa a sensação desta mostra.

A monocromia dos desenhos de Rasquinho contrasta com as cores vibrantes dos espaços lá fora que agora caracterizam as fachadas da antiga vila da Taipa. Os tons monocromáticos destes trabalhos devem-se, sobretudo, ao uso da tinta-da-china e de outros materiais como o carvão.

Já a forma, pode dizer-se que é fluída, e também “responsabilidade” da tinta-da-china como se quisesse expandir-se para outros lugares.

Até dia 3 de Julho é possível ver estes desenhos, cuja inspiração surge da literatura ainda que não representem mais do que a interpretação de Rasquinho das palavras escritas.

O ilustrador afirma que “os desenhos existem porque existe um pré-texto, eles estão dependentes disso. Podem ter uma interpretação formal ou outra mais livre, mas estão acoplados ao texto, e jamais teriam um texto novo, o título que têm é o do texto”.

Ainda nesta mostra é possível ver representações abstractas em folhas de cadernos dobradas como se de um estudo se tratasse. A escolha da exposição destes desenhos tem que ver com a desapreciação do artista em desenhos emoldurados em paredes.

Este Verão a arte de Rasquinho segue também para a Casa Garden, em Macau, onde serão apresentados novos trabalhos.

__________________

Taipa Village Art Space

Rua dos Clérigos, 10

Até 3 de Julho

Entrada livre

Artigo anteriorMade in Nuno Lopes
Próximo artigoO que a UNESCO viu em Macau

ARTIGO