Sexta-feira, Março 5, 2021
Inicio Cooperação Grande Baía, colaboração da teoria para a prática

Grande Baía, colaboração da teoria para a prática

O Chefe do Executivo visitou, em Janeiro, oito cidades da Grande Baía, num périplo de quatro dias. O reforço da cooperação em vários sectores da economia e a resposta conjunta aos desafios da pandemia da Covid-19 dominaram os encontros com os líderes das diferentes regiões. Ho Iat Seng aproveitou para promover Macau e agradecer o apoio das cidades aos obstáculos criados pela crise pandémica

Texto Catarina Brites Soares | Fotos GCS

A viagem oficial do Chefe do Executivo da RAEM, Ho Iat Seng, às cidades vizinhas a Macau que fazem parte do projecto da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau teve como principal missão “permitir concretizar uma complementaridade de recursos e exploração conjunta do desenvolvimento da Grande Baía”. O líder da RAEM esteve em Shenzhen, Huizhou, Dongguan, Cantão, Foshan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing, entre 8 a 11 de Janeiro.

Na comitiva, estiverem personalidades como o secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, e diversos responsáveis, como os directores dos Serviços de Turismo, Helena de Senna Fernandes, e de Economia, Tai Kin Ip, o presidente do Conselho de Administração do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau, Lau Wai Meng, a coordenadora do Gabinete de Protocolo, Relações Públicas e Assuntos Externos, Lei Ut Mui, e a directora do Gabinete de Comunicação Social, Chan Lou.

Cantão

Em Cantão, a prevenção e controlo conjunto da pandemia da pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus voltou a ser tema. Nos encontros oficiais, debateu-se ainda formas de impulsionar conjuntamente a construção da zona de cooperação aprofundada entre Guangdong e Macau na Ilha da Montanha e a participação de Macau no desenvolvimento da Grande Baía.

Durante a visita, os dois lados insistiram na importância de persistir nos trabalhos de prevenção e controlo conjunto contra a pandemia, e no empenho para a recuperação económica e social.

O líder do Governo agradeceu o apoio de Guangdong de prestação de cuidados médicos e no abastecimento de cereais, óleo e outros alimentos. Ho Iat Seng destacou ainda que Guangdong foi a primeira província a retomar gradualmente a emissão de vistos individuais de turismo com destino a Macau para residentes do Interior da China e que sempre procurou ajudar na resolução de problemas relacionados com a passagem das fronteiras dos locais, permitindo manter a relação de Macau com o Interior da China.

Shenzhen

Acompanhado pelo secretário do Comité do Partido Comunista da cidade de Shenzhen, Wang Weizhong, Ho Iat Seng visitou uma empresa local de Internet, a bolsa de valores e o parque de uma empresa local de tecnologias.

Os responsáveis pelas duas cidades consideram que já existe uma cooperação sólida em vários domínios, e que pretendem reforçar relações nas áreas da inovação tecnológica, da educação e das indústrias culturais e criativas. 

Wang Weizhong fez questão de frisar que Shenzhen “quer aproveitar as vantagens de Macau no sentido de promover em conjunto uma cooperação mais concisa nos serviços modernos e na inovação tecnológica, bem como aproveitar o papel de Macau como plataforma comercial entre a China e os países de língua portuguesa e incrementar o intercâmbio e a integração com os países lusófonos”.

Ho Iat Seng, por sua vez, valorizou as boas relações entre as regiões, que espera ver reforçada em várias áreas. O líder do Governo salientou que Macau está  empenhado em desenvolver a indústria da medicina tradicional chinesa e que, no futuro, os medicamentos poderão ser registados na cidade e vendidos para a Grande Baía e outras regiões.

Salientou também que as empresas de Shenzhen que procuram internacionalizar-se, podem aproveitar o papel de plataforma de Macau para explorar o mercado lusófono. “O governo vai aperfeiçoar de forma constante a sua função de plataforma de serviços para a cooperação empresarial sino-portuguesa. Além disso, espera dinamizar o desenvolvimento do turismo cultural e das indústrias culturais criativas. Shenzhen conseguiu alcançar um desenvolvimento frutífero nestas áreas pelo que espera reforçar a cooperação bilateral.”

Huizhou e Dongguan

A cooperação, ainda que com tónica noutras áreas, também foi o assunto primordial nos encontros com governantes locais nas cidades de Dongguan e Huizhou, que o líder do Governo visitou a 10 de Janeiro.

Dongguan foi a primeira, e aqui a indústria, a ciência e as tecnologias inovadoras, a cultura e o ensino foram os campos em destaque. O Chefe do Executivo aproveitou para agradecer o apoio de Dongguan durante a pandemia, em particular no que diz respeito ao abastecimento de recursos, determinante para “manter a estabilidade e a tranquilidade da sociedade”.

Ho Iat Seng reiterou que Macau é uma cidade segura com zero casos activos, mas que a epidemia teve grande impacto e que por isso o governo quer que a diversificação das indústrias locais seja a prioridade no desenvolvimento económico, por exemplo das indústrias ligadas à saúde, finanças e ciências e tecnologias.

O Chefe do Executivo diz estar convicto no aprofundamento da cooperação entre as duas regiões, tendo em conta que Dongguan possui um mercado importante na procura de inovação e tecnologias e Macau tem bastante força no estudo e na investigação – especialmente a Universidade de Macau e a Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau – e porque Dongguan tem-se consolidado na área da fabricação e na cadeia de produção.

Huizhou, por sua vez, foi referida como uma das cidades da província de Guangdong “mais avançada no desenvolvimento industrial”. Ho Iat Seng priorizou a cooperação na investigação na medicina tradicional chinesa, nas tecnologias de microelectrónica, na engenharia aeroespacial e no que diz respeito à construção da cidade inteligente. “Macau tem uma elevada capacidade de estudo e investigação, apesar de existirem falta de empresas de produção. Neste sentido, Macau e Huizhou podem complementar-se e aprofundar a cooperação nesta área transformando, em conjunto, os resultados laboratoriais em produtos para serem lançados no mercado”, afirmou.

Já Li Yiwei, secretário do Comité do Partido Comunista da cidade Huizhou, salientou que a cidade procura acelerar o desenvolvimento de novo material de energia petroquímica, informação digital e saúde, esperando formar uma cadeia de valor industrial, potenciar a aglomeração de vantagens, diminuir os custos de produção das empresas e aumentar a atracção de empresas estrangeiras na criação de linhas de produção.

O responsável acrescentou ainda que espera que as duas regiões cooperem mais a nível técnico, na criação de plataformas para as empresas e instituições conjuntas na indústria da medicina tradicional chinesa, tanto ao nível de recursos humanos como técnicos.

Foshan

No dia em que a comitiva esteve na cidade, foi visitar uma empresa de medicina tradicional chinesa para conhecer os procedimentos de fabricação, a tecnologia de mistura e os padrões de controlo de qualidade. A delegação visitou ainda “Lingnan Tiandi” e foi conhecer os bairros antigos revitalizados, fruto do modelo de gestão que integra os factores histórico, cultural, artístico e comercial. Antes do almoço entre o Chefe do Executivo e o sub-secretário, Guo Wenhai, a delegação deslocou-se à base de empreendedorismo para jovens de Foshan, Hong Kong, Macau e Taiwan, para assistirem a uma apresentação sobre empreendedorismo.

Na cidade, o Chefe do Executivo afirmou querer reforçar laços em muitas áreas como o turismo. Ho Iat Seng lembrou que Macau, Chengdu, da província de Sichuan, e Shunde, da cidade Foshan, foram designadas pela UNESCO como “Cidade Criativa de Gastronomia” e que por isso o intercâmbio pode ser reforçado. “Relativamente ao turismo, existe um grande espaço e potencial de cooperação profunda relativamente à revitalização de bairros antigos. Ambas as partes, podem vir a reforçar a cooperação em promover o desenvolvimento da ciência e tecnologia e na promoção de comércio e atracção de investimento”, acrescentou.

O Chefe do Executivo considerou ainda que os dois territórios devem trabalhar em conjunto no desenvolvimento da indústria da medicina tradicional chinesa, aproveitando que Foshan tem uma fábrica de grânulos para fórmulas de medicina tradicional chinesa com altos padrões de qualidade, eficácia clínica e segurança, e que Macau tem um Laboratório de Referência do Estado na área da Medicina Chinesa e um Parque Científico e Industrial de Medicina Tradicional Chinesa na Ilha de Hengqin.

O sub-secretário do Comité do Partido Comunista da cidade Foshan, Guo Wenhai, realçou que, embora tenha sido afectada pela pandemia, a economia recuperou bem. O também secretário do Comité Municipal de Shunde realçou que a cidade é reconhecida pela manufactura, especialmente electrodomésticos e equipamentos, com um Produto Interno Bruto (PIB) que ultrapassou o bilião de yuans, em 2019. O território, acrescentou Guo, é ainda conhecido pela cultura de Lingnan, as artes marciais, o legado histórico e a tradição do Barco-Dragão.

Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing

Já em Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing repetiram-se as prioridades: cooperação e desafios criados pela crise pandémica mundial. O turismo, comércio, finanças, educação, cultura e tecnologia foram algumas das áreas em foco para potenciais parcerias.

O responsável de Zhaoqing enfatizou o desenvolvimento da cidade nos últimos anos e as vantagens que oferece à Grande Baía, como a localização favorável em termos de circulação e trânsito, a história e cultura, o ambiente de negócios e a dimensão geográfica. Sublinhou também que a cidade está empenhada na protecção da qualidade da água do Rio Xijiang, que a atravessa, e que Macau também beneficiará com isso.

Fan Zhongjie realçou ainda que, tendo em conta a vasta área territorial e o baixo custo, Zhaoqing reúne mais-valias em termos de desenvolvimento industrial, e recordou que cerca de dez mil cidadãos da cidade residem em Macau, onde já criaram associações.

O Chefe do Executivo enalteceu as boas condições ambientais de Zhaoqing, determinantes na agricultura, e espera que Macau e Zhaoqing possam reforçar a cooperação nessa área, ao nível do fornecimento de produtos agrícolas, mas também no turismo, cultura, educação e finanças.

Em Jiangmen, onde o líder do Governo esteve depois de Zongshan e antes de Zhaoqing, ambos os governantes destacaram o potencial de cooperação

no âmbito do turismo cultural, por exemplo de oferta de serviços e planos de turismo multidestinos, com vista à recuperação do sector.

Ho Iat Seng frisou que a pandemia teve um grande impacto na economia e no turismo, sendo crucial diversificar as indústrias locais. “O Governo está empenhado em aproveitar bem as actuais oportunidades para desenvolver as indústrias da saúde, finanças e ciência e tecnologia. O Chefe do Executivo espera que Jiangmen possa fortalecer ainda mais a cooperação com Macau nestes três domínios, incentivando ainda a participação das empresas dessa cidade nos projectos relacionados”, refere a nota do GCS.

Em Zhongshan, a primeira cidade da rota pela Grande Baía, o Chefe do Executivo destacou que, o governo tem investido no desenvolvimento da medicina tradicional chinesa com uma série de políticas, que podem ser favoráveis às empresas de Zhongshan.

No que respeita à cooperação, Ho Iat Seng prometeu promover a implementação de projectos conjuntos no ensino superior, turismo e cultura. “Macau, como uma cidade saudável e segura, pode promover o intercâmbio de pessoas. Os dois territórios vão também regularizar o acordo-quadro de cooperação e definir as prioridades para a cooperação futura”, enfatizou, referindo-se ao facto da região estar livre de casos de Covid-19 há quase um ano, facto que repetiu e realçou em todos os encontros.

Já Lai Zehua,  secretário do comité municipal de Zhongshan, afirmou que a cidade tem trabalhado com Macau nos ramos da indústria, tecnologia, cultura e turismo, e da educação. “Tendo em conta que Macau foi designada uma das quatro cidades principais na construção da Grande Baía, com o papel de motor central, Zhongshan espera fortalecer ainda mais a cooperação bilateral dentro da Grande Baía, especialmente na área da indústria e biofarmacêutica. Além disso, os serviços públicos e a promoção do intercâmbio de pessoas podem ser a direcção da futura cooperação entre os dois territórios”, apontou o governante.

Antes do encontro, o Chefe do Executivo e a delegação oficial visitaram a base industrial nacional de tecnologia de saúde (National Health Technology Industrial Base) e uma empresa de produção e comercialização de produtos farmacêuticos na cidade de Zhongshan.

ARTIGO