Sexta-feira, Março 5, 2021
Inicio Carmen Amado Mendes "Macau enquanto ligação entre a China e o mundo lusófono é um...

“Macau enquanto ligação entre a China e o mundo lusófono é um dos temas a privilegiar”

A nova presidente do Centro Científico e Cultural de Macau (CCCM), em Lisboa, fala de uma nova era. Em entrevista à MACAU, Carmen Amado Mendes afirma que quer evitar que o Centro continue a ser percepcionado como uma instituição estagnada, opaca e fechada. Assume que o plano para a próxima década é ousado. A académica, cuja carreira tem tido ligações a Macau e à China em geral, defende que há que “combater o desconhecimento profundo que grassa na sociedade portuguesa sobre a cultura estratégica chinesa, que impede qualquer reacção informada à sua abordagem na Europa”. E o centro, vinca, deve dar um contributo relevante

Texto Catarina Brites Soares | Fotos Paulo Cordeiro, em Lisboa

Quais os desafios da posição de presidente do Centro Científico e Cultural de Macau, que assumiu há um ano?

Afirmar o papel do CCCM como verdadeiro centro de investigação e documentação em rede e, ao mesmo tempo, dar visibilidade ao Museu. Do ponto de vista interno, reforçar a equipa e disponibilizar o património do CCCM a entidades que contribuam para a sua dinamização.

Que papel tem e pode ter o CCCM em Portugal, para Macau e nas relações sino-lusófonas?

O CCCM é um instrumento privilegiado neste relacionamento, conforme reconhecido no Memorando de Entendimento assinado em finais de 2018 entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior português e o Ministério da Ciência e Tecnologia da República Popular da China sobre a Promoção das Actividades de Cooperação para a Implementação da Parceria China-Portugal Ciência e Tecnologia 2030. O CCCM é único ao ser um centro de investigação com este mandato do Ministério que o tutela, para se dedicar à investigação da história dos intercâmbios culturais entre Portugal e a China, e entre a Europa e a Ásia, bem como ao desenvolvimento de formas inovadoras que fomentem o entendimento mútuo.

Mencionou na apresentação do plano para a década 2020-2030, que se pretende que o CCCM se posicione como uma referência internacional em estudos euro-asiáticos e interculturais e em actividades científicas e culturais de referência na cooperação e relação Europa-Ásia. De que forma pretende consegui-lo tendo em conta a competitividade, incluindo na Europa?

O CCCM já tem um estatuto único como um centro de investigação reconhecido internacionalmente no que diz respeito aos cinco longos séculos de história de contactos de Portugal com a China e com a Ásia. Foram muitos anos de investigação de elevada qualidade sobre Macau, China e Ásia Oriental, desenvolvida por colaboradores portugueses e estrangeiros, que resultaram em várias publicações importantes. Ao longo dos anos, o Centro construiu uma das melhores colecções documentais na área e um Museu que alberga muitas peças chinesas de grande valor no estudo da história da arte e da vida quotidiana chinesa de há centenas de anos. Com estes alicerces ao nível da investigação, recursos documentais e artefactos históricos, o CCCM vai continuar a trabalhar no campo da história dos intercâmbios tecnológicos e culturais entre a Europa e a Ásia, nomeadamente entre Portugal e a China.

Serão esses os enfoques da investigação?

Os interesses de investigação vão também focar-se nas relações contemporâneas. A investigação em tópicos históricos e da actualidade será desenvolvida em cooperação com entidades académicas chinesas de topo, muitas das quais já formularam propostas de cooperação. Na Europa, o CCCM vai continuar a trabalhar em conjunto com os parceiros em várias redes académicas como a European Association for Chinese Studies, a EastAsiaNet e a European Alliance for Asian Studies, para desenvolver novos rumos de investigação.

E em Portugal?

Em Portugal, a colaboração interinstitucional com universidades, politécnicos e agências governamentais com quem fomos estabelecendo parcerias é essencial para potenciar o estatuto neutro do CCCM. Esse estatuto permite-nos acolher iniciativas comuns e transdisciplinares sem entrar em competição com as instituições de ensino superior. No fundo, isto acontece através da criação de uma rede de estudos asiáticos a partir do CCCM, congregando institutos universitários e culturais, associações e fundações, nacionais e internacionais. Para tudo isto, o apoio da Fundação Jorge Álvares, enquanto principal mecenas do CCCM, vai continuar a ser fundamental.

Há cada vez mais institutos de vários países que apostam na relação e aproximação à Ásia, e especificamente à China. De que forma pode o CCCM diferenciar-se e destacar-se?

O CCCM já é reconhecido como um centro único e importante, que tem dado contribuições consideráveis para o entendimento das relações históricas entre Portugal e a China e, de forma mais abrangente, entre a Europa e a Ásia. Enquanto outros Estados-membros da União Europeia têm histórias de contacto e comércio com a China ao longo dos séculos, a experiência portuguesa, sendo o país que mais cedo desenvolveu contactos substanciais com a China e o Japão, é de um valor e importância inegáveis. A riqueza dos recursos documentais, que está nas bibliotecas e arquivos portugueses, na história do desenvolvimento dos contactos com a Ásia continua a não ser bem conhecida e amplamente usada. Um projecto novo e inovador está em desenvolvimento no CCCM para tornar o acesso a estes documentos mais disponíveis e estimular uma maior e aprofundada pesquisa neste campo fascinante.

Destacou quatro frentes de aposta: investigação, formação, museu e biblioteca. Começaria pela investigação, âmbito em que anunciou “o reforço do apoio à formação doutoral e investigação em estudos euro-asiáticos”. Pode ser mais específica?

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia apoiará a atribuição de cinco a 10 bolsas por ano, destinadas a alunos de doutoramento inscritos em universidades portuguesas que façam teses sobre a Ásia. Um dos temas a privilegiar será o estudo do espólio museológico e documental do CCCM.

Ao nível da documentação e arquivo, com que entidades irá colaborar?

Com as entidades geograficamente mais próximas do CCCM, alargando numa segunda fase a instituições nacionais e depois internacionais. O projecto está no “papel”, ainda não começou a ser desenvolvido, e à medida que começarem os contactos é que a rede de instituições se vai construindo. Em Macau, os primeiros contactos são com a Biblioteca da Universidade de Macau.

Pode dar também exemplos de actividades no âmbito da museologia?

Proceder a uma contínua actualização das exposições temporárias e a uma reorganização da colecção permanente, de modo a abrir novas perspectivas ao público em geral, mas também habitual, do Museu do CCCM. As exposições são essenciais para manter os museus vivos, atrair e fidelizar públicos, pelo que vamos apostar num programa de exposições temporárias regulares, que tornem acessíveis a um público mais abrangente os resultados da investigação, num retorno à sociedade do investimento feito na produção do conhecimento científico. O estudo das colecções do Museu será apoiado. Além disso, há que disponibilizar a informação, apostando no digital. Estamos também a planear alargar a oferta expositiva, nomeadamente em cooperação com outras instituições, como a Agência Ciência Viva.

E ao nível da oferta que já existe?

Há também a possibilidade de organização de visitas guiadas temáticas para crianças e adultos, em diversos campos das culturas asiáticas e, particularmente, chinesa, por exemplo nas áreas da filosofia, história, religião, arte e ciência; a oferta de oficinas sobre a China para diferentes faixas etárias, como aquela destinada para estudantes da primária que é intitulada “É a falar chinês que a gente se entende” e “A China em caracteres”, para os alunos do secundário. Temos ainda em vista o planeamento de novas oficinas e cursos livres sobre temas ainda pouco explorados, como o ensino do chinês tradicional e do cantonês; cursos de formação em diversas áreas dos estudos asiáticos, como, por exemplo, sobre a língua portuguesa na Ásia, os instrumentos musicais chineses, a tradução chinês-português e chinês para fins turísticos.

No que respeita à dinamização das instalações, que resultados espera conseguir?

Com a requalificação e dinamização do CCCM, em articulação estreita com parceiros estratégicos, pretende-se um maior e melhor aproveitamento das instalações e do espaço, bem como um maior dinamismo das entidades envolvidas. No fundo, a criação de um polo vocacionado para as questões asiáticas, mais concretamente no que diz respeito às relações Portugal-China, congregando toda uma massa crítica que, actuando em proximidade e em parceria, possa beneficiar das diferentes valências de cada uma das entidades, fomentando a cooperação e potenciando resultados.

Sobre as relações Portugal/Macau e sino-lusófonas, a tónica assenta por norma na questão económica e comercial. Que importância pode e deve ter a cultura e a investigação na aproximação entre estes territórios e povos?

No mundo globalizado em que vivemos, a dita sociedade de informação, a cultura e a investigação não só são inseparáveis da economia como geram riqueza, não apenas para as instituições que fomentam as ligações, mas sobretudo para os povos que beneficiam delas. Temos um longo caminho a percorrer, por exemplo, no âmbito da formação, e contamos com os países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa para nos ajudar na caminhada.

No plano de apresentação para a próxima década, refere igualmente que pretende evitar “que o Centro continue a ser percepcionado como uma instituição estagnada, opaca e fechada sobre si mesma”. É frequente esta imagem estar associada a este tipo de entidades, distantes do público, com eventos com pouca adesão e sem grande dinamismo. Como pretende alterar este aspecto?

Trazendo o campo de trabalho da investigação do século XVII e XVIII para o século XX e XXI, colocando o enfoque na actualidade, e investindo nas novas tecnologias para a divulgação e a abertura do Centro ao exterior. Devemos também proceder a uma melhor divulgação do CCCM nos meios de comunicação social, criando espaço de antena.

Realça ainda que “apesar da presença portuguesa em Macau durante quase cinco séculos, Portugal ainda carece de sinólogos com conhecimento profundo sobre a China, situação muito distinta da realidade de outros países europeus.” Que motivos encontra para esse fosso e como pode o CCCM ajudar a colmatar essa lacuna?

A lacuna que refiro é sobretudo de ignorância. Há uma profunda desorientação e desorganização em Portugal no que se refere aos estudos asiáticos e sinológicos. A sinologia estrangeira, por vezes com bem menos fontes e materiais, obtém muitos melhores resultados mesmo no nosso terreno. Veja o caso de Charles Boxer [historiador inglês, nascido em 1904 em Inglaterra, considerado um dos mais importantes historiadores estrangeiros que se debruçaram sobre os Descobrimentos portugueses]. É preciso mudar as mentalidades e vocacioná-las para um discurso descomplexado. O “pouco” que temos tem um enorme valor, muitas vezes está mal estudado ou até se desconhece a sua existência. É essencial implementarmos parcerias com a academia e acolher projectos de investigação que promovam de facto o trabalho em equipa e permitam dar projecção nacional aos estudos nesta área.

Ainda sobre o tema, também sublinha que pretende que o CCCM ajude a projectar Portugal na China. Como?

Como parte da cooperação com parceiros académicos chineses na investigação e discussão, o CCCM vai organizar em conjunto workshops e conferências em Portugal e na China. Estes eventos vão ajudar a aumentar o entendimento mútuo entre os dois países e dar a possibilidade a investigadores portugueses de visitar a China e de chineses virem a Portugal. Ao aumentar os contactos entre os dois países em várias áreas académicas, o CCCM vai contribuir para promover um melhor diálogo e entendimento comum. Além disso, nas suas instalações em Lisboa, o CCCM vai organizar eventos e exposições no Museu que vão mostrar artefactos únicos e raros, que irão atrair visitantes nacionais e internacionais, incluindo chineses.

A China, também através de Macau, tem-se focado na lusofonia. De que forma pode o CCCM beneficiar com a aposta?

O CCCM está disponível para colaborar com as iniciativas desenvolvidas neste âmbito, quer por Lisboa quer por Macau. O papel de Macau enquanto plataforma de ligação entre a China e o mundo lusófono é um dos temas de investigação a privilegiar no CCCM e em breve esperamos oferecer formação nesse âmbito.

É-lhe conhecido o percurso dedicado à China e a Macau. Como surgiu esse interesse e de que forma a mudou?

Quando era estudante, comecei a dedicar os trabalhos de investigação a Macau por um mero acaso. O meu tio ia com frequência dar aulas à Universidade de Macau e trazia-me bibliografia interessantíssima numa altura em que não havia Internet e as consequentes facilidades de pesquisa. Depois de uma dissertação de mestrado, tese de doutoramento e investigação de pós-doutoramento dedicadas ao tema, já não fazia muito sentido mudar de área a nível profissional. Quer quando trabalhei na área empresarial quer na academia, fui mantendo o foco na China e em Macau, e tornou-se, de facto, uma paixão. Ao nível de personalidade isso fez de mim quem sou, não só porque uma carreira tão absorvente não se consegue dissociar da vida pessoal, mas também porque passar tanto tempo na China e em Macau me faz olhar para o mundo com outros olhos, principalmente quando estou em Portugal.

PERFIL

Carmen Amado Mendes é professora associada com agregação da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde criou o curso “China and the Portuguese-speaking Countries in World Trade”. É doutorada pela School of Oriental and African Studies da Universidade de Londres, mestre pelo Institut des Hautes Études Européennes – Universidade de Estrasburgo, e licenciada pelo Instituto de Ciências Sociais e Políticas – Universidade de Lisboa. É auditora do Instituto da Defesa Nacional e assumiu, em 2020, o cargo de presidente do Centro Científico e Cultural de Macau, em Lisboa. Escreveu As Negociações de Macau e China’s New Silk Road: An Emerging World Order.

ARTIGO