Sexta-feira, Março 5, 2021
Inicio Macau Balanços e perspectivas

Balanços e perspectivas

Apesar da crise sem paralelo, o Chefe do Executivo vinca que a qualidade de vida melhorou em 2020. Ho Iat Seng diz que no ano passado se verificaram “novos progressos em todas as vertentes e uma melhoria progressiva da qualidade de vida da população”

Texto Catarina Brites Soares

O Chefe do Executivo fez um balanço positivo de 2020 e prometeu boas perspectivas para 2021. Na mensagem de Ano Novo, Ho Iat Seng considerou que em 2020 se verificou “uma conjuntura socioeconómica estável” e voltou a frisar que o combate à pandemia continua a estar no topo das prioridades, mensagem que tem reiterado nos discursos em momentos importantes como aconteceu durante a apresentação das Linhas de Acção Governativa, em Novembro, e nas celebrações do dia da RAEM, a 20 de Dezembro.

“Com o reforço constante da capacidade da saúde pública e a entrada da vacina no mercado, venceremos seguramente esta grande batalha epidémica”, afirmou o líder do Governo. Ho garantiu que as autoridades continuam determinadas na “promoção da normalização da prevenção e controlo da epidemia e na missão de ‘prevenir casos importados e evitar o ressurgimento interno'”.

Na mensagem, o Chefe do Executivo recordou que a missão é árdua e que exige um esforço “incansável de todos” no cumprimento das medidas de prevenção contra o vírus da Covid-19. “O ano de 2020 foi um ano particularmente difícil. A pandemia da pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus, que se alastra pelo mundo, mudou de forma profunda a percepção das pessoas sobre a vida e a saúde, alterando os seus estilos de vida, e trouxe um impacto e desafio sem precedentes para Macau e o mundo.”

Apesar das dificuldades, Ho Iat Seng realçou que 2020 também ficará marcado pela solidariedade e capacidade de superar os obstáculos. “O Governo da RAEM implementou várias medidas de estabilização da economia e de garantia do emprego e da qualidade de vida da população, ajudando as empresas e os cidadãos a ultrapassar as dificuldades. Os diversos sectores da sociedade demonstraram o excelente e tradicional valor da entreajuda, bem como um espírito de luta e de auto-aperfeiçoamento”, reforçou. “Em 2020, Macau registou, de um modo geral, uma conjuntura socioeconómica estável, novos progressos em todas as vertentes e uma melhoria progressiva da qualidade de vida da população.”

O amanhã

O líder do Governo voltou a frisar que a vida e a saúde dos residentes estiveram sempre em primeiro lugar e prova disso foi a acção do Executivo, que respondeu “atempada e firmemente” com várias medidas de prevenção e combate à pandemia. Para Ho, foram alcançados resultados positivos e ficou “demonstrado um grandioso espírito de luta contra a Covid-19”.

“Estou convicto de que, com o forte apoio do Governo Central e o esforço conjunto de toda a população, a RAEM superará as dificuldades que enfrenta e alcançará novos desenvolvimentos e progressos em prol da implementação estável e duradoura do princípio ‘um país, dois sistemas’, com características de Macau”, perspectivou.

O governante aproveitou a mensagem para pedir “confiança e coragem para vencer as diversidades”, prevendo “a coexistência de oportunidades e desafios, de esperança e de dificuldades” no ano que agora começa.

Também deixou promessas, como a de continuar a estimular “a recuperação da economia e a sua diversificação adequada”. Com esse objectivo em mente, o líder do Governo prometeu valorizar as “vantagens singulares de Macau e participar activa e pragmaticamente na dupla circulação económica” do país e no desenvolvimento económico da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e da iniciativa ‘Uma Faixa, Uma Rota’, “em prol da integração de Macau na conjuntura do desenvolvimento” chinês.

“Iremos optimizar constantemente as acções vocacionadas para a qualidade de vida da população, garantir o emprego e resolver progressivamente as preocupações da população, designadamente as de habitação, transportes e cuidados de saúde; iremos promover os nossos tradicionais valores do amor pela Pátria e por Macau, da tolerância e da harmonia, intensificar as acções vocacionadas para a juventude, salvaguardar a conjuntura estável da RAEM, assegurar a realização com sucesso das eleições para a 7.a Assembleia Legislativa e consolidar a base sociopolítica do amor pela Pátria e por Macau”, detalhou.

A solução para a economia

O ano de 2021 é também visto pela Administração como de recuperação depois de um 2020 difícil economicamente. A economia está em recessão há mais de um ano, o desemprego atingiu os valores da crise financeira de 2009, conduzindo à austeridade na função pública, cortes salariais e medidas de lay-off no sector privado. A vacina é encarada como a solução para recuperar a indústria do jogo e do turismo, os principais motores económicos da região.

O Chefe do Executivo e a directora dos Serviços de Turismo, Maria Helena de Senna Fernandes, deixaram claro que só a vacinação permitirá o regresso à normalidade. Em 2019, Macau recebeu quase 40 milhões de turistas e arrecadou perto de 292 mil milhões de patacas em receitas de jogo.  Apesar de em 2020 as receitas assim como o turismo terem sofrido uma quebra significativa, o Governo já assegurou que o caderno de encargos definido para 2021 é para cumprir.

A “recuperação e diversificação económica, a garantia do emprego”, a “promoção da reforma da Administração Pública” e “a construção de uma cidade inteligente com condições ideais de habitabilidade” são alguns dos objectivos para este ano.

O Executivo antecipa um orçamento deficitário, com previsões de receitas provenientes dos resorts integrados na ordem dos 130 mil milhões de patacas –

menos de metade do registado em 2019, antes da pandemia.

A integração progressiva no Interior do País será uma das apostas para responder aos desafios e prova disso é a menção constante da importância de impulsionar o projecto da Grande Baía, tanto pelo Governo local como pelo Governo Central.

O investimento na economia local – por exemplo através das obras públicas – é outra das fórmulas do Governo para estimular a economia local. O investimento de 18,5 mil milhões de patacas destinados a obras públicas abrange projectos como a quarta ponte Macau-Taipa, a expansão do Aeroporto Internacional e a extensão da linha do metro ligeiro.

Turistas de volta

Foram mais de 30 mil os visitantes que entraram em Macau na véspera da passagem de ano. É o número mais elevado diário dos últimos 11 meses, segundo dados oficiais. A recuperação é atribuída ao facto de a situação epidémica “estar basicamente estável tanto no Interior da China como em Macau, aliada ao reforço dos esforços de promoção da Direcção dos Serviços de Turismo em sintonia com a retoma da emissão de documentos de viagem turísticos a residentes do Interior da China para deslocação a Macau e na divulgação de Macau como destino seguro e acessível”. O Turismo de Macau refere ainda que “a média diária de visitantes de Macau ultrapassou as 21 mil pessoas, e a taxa média de ocupação hoteleira foi de mais de 67 por cento” entre 31 de Dezembro de 2020 e 3 de Janeiro de 2021.  A maioria dos turistas é do Interior do País, seguindo-se os de Hong Kong e logo Taiwan.

Sob o lema de prosseguir com a promoção para atrair mais visitantes durante as férias e festividades, a Direcção dos Serviços de Turismo (DST) realça que tem “colaborado com a Tencent, Alibaba, Trip.com, UnionPay International e a Air Macau na divulgação de informações e descontos para atrair visitantes a Macau, encorajar o dispêndio turístico, prolongar o tempo de estadia na cidade, impulsionado economicamente os diferentes sectores”.

O organismo realça que, com a retoma da emissão de documentos de viagem turísticos a residentes do Interior do País para deslocação a Macau, a DST tem continuado a reforçar a promoção nas plataformas das redes sociais, incluindo Douyin, Xiaohongshu, Weibo, WeChat, Mafengwo, entre outras, e realizado vivos com influenciadores digitais. “A DST abriu ainda, no ano passado, conta oficial nas plataformas Xiaohongshu e Douyin para ir ao encontro dos hábitos de uso das redes sociais dos residentes do Interior da China. Foram também convidados influenciadores de turismo para visitas de familiarização a Macau, para ajudar a divulgar a imagem de Macau como destino seguro e acessível. Ao mesmo tempo, a DST tem cooperado com agências de viagens online, para promover produtos turísticos de Macau a tarifas especiais”, lê-se no comunicado emitido pelo organismo.

A DST adianta que agora o objectivo é promover as iniciativas Semana de Macau em Pequim, o Carnaval para Desfrutar Macau, a plataforma electrónica de promoções “Macau Ready Go” e realizar 60 vídeos sobre temas ligados ao turismo local. Além disso, pretende também divulgar a cidade como segura, “para recuperar a confiança em viajar, encorajando mais visitantes do Interior da China a visitarem Macau em férias e festividades”, e assim impulsionar a recuperação.

Já a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos refere que Dezembro de 2020 foi o melhor mês no que respeita às receitas no sector desde o início da pandemia. O encaixe foi de 7,82 mil milhões de patacas, representando, contudo, uma quebra anual de 65,8 por cento.

Até ao fecho desta edição, o último caso de Covid-19 registado em Macau datava de Junho de 2020.

***

Esperanças reforçadas para o Ano do Búfalo

Por ocasião da recepção da Festa da Primavera organizada pelo Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na RAEM, o Chefe do Governo de Macau reiterou que o Executivo vai continuar empenhado na prevenção e no controlo da Covid-19 “face à complexidade e incerteza da evolução” da pandemia, “sem nunca baixar a guarda”. O evento, realizado a 18 de Janeiro, teve este ano uma redução significativa do número de convidados e transmissão online. “Face à complexidade e incerteza da evolução da pandemia mundial, o Governo da RAEM continuará empenhado na estratégia ‘prevenir casos importados e evitar o ressurgimento interno’, sem nunca baixar a guarda”, garantiu. O objectivo do Governo é a “recuperação do desenvolvimento socioeconómico” do território, salientou Ho, lembrando o “grave impacto nos diversos sectores de atividade de Macau” do novo coronavírus, que “afectou profundamente a vida dos residentes”. “Conseguimos garantir a segurança de Macau, proteger a saúde e a vida dos residentes e alcançar resultados positivos, nada fáceis de atingir, no combate à pandemia”, acrescentou. Para o governante, “o ano novo traz novas esperanças”, numa referência ao Ano Novo Lunar. “O Ano do Búfalo marca o início do 14.º Plano Quinquenal Nacional, e a entrada do País numa nova fase de desenvolvimento trará indubitavelmente maiores oportunidades de desenvolvimento para Macau”, disse Ho Iat Seng, destacando a participação do território na “dupla circulação” económica da China e na promoção do princípio “Um país, dois sistemas” com “características de Macau”.

ARTIGO