Sexta-feira, Maio 29, 2020
Inicio Literatura

Literatura

Escritor João Nuno Azambuja vence Prémio Literário UCCLA-Novos Talentos

João Nuno Azambuja, com a obra “Era uma vez um Homem”, venceu o Prémio Literário UCCLA-Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa, que é entregue no dia 13 de Junho, na Feira do Livro de Lisboa.

Escritor brasileiro Raduan Nassar vence Prémio Camões 2016

O escritor brasileiro Raduan Nassar é o vencedor da 28.ª edição do Prémio Camões 2016, foi anunciado, em Lisboa, numa conferência de imprensa com o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado.

Primeiro volume de trilogia “Direito do Jogo” lançado em Macau

O professor da Universidade de Macau Jorge Godinho lançou a obra “Direito do Jogo”, o primeiro volume de uma trilogia, que também recupera episódios perdidos no tempo relativos à história da principal indústria do território.

Antologia de Du Fu lançada em Macau

Com o objectivo de promover o intercâmbio literário chinês e português, o Instituto Cultural de Macau lançou recentemente a primeira edição bilingue da Antologia de Du Fu, integrada na colecção “Escritores Chineses e Lusófonos”.

Portugal adia parecer sobre a trasladação de Camilo Pessanha

A comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto da Assembleia da República Portuguesa pretende conhecer melhor os motivos do pedido de trasladação dos restos mortais do poeta Camilo Pessanha, de Macau para o Panteão Nacional, antes de dar um parecer final.

João Azambuja vence Prémio Literário UCCLA

A obra vencedora do “Prémio Literário UCCLA - Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa” foi atribuída a “Era uma vez um Homem” de João Nuno Rodrigues Pacheco Guimarães Azambuja, de Portugal. O anúncio foi feito no dia 5 de Maio - Dia da Língua e da Cultura Portuguesa - pelo Secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Vitor Ramalho.

Camilo Pessanha, o poeta que morreu há 90 anos

Em Macau, quando o tema é Camilo Pessanha, que morreu a 1 de Março de 1926, é difícil dizer onde termina o homem e começa o mito, havendo quem o recorde afável, exótico e à frente do seu tempo.