Quinta-feira, Julho 9, 2020
Inicio Tags RM 53

Tag: RM 53

Como Eric Fok reinventou a cartografia

Eric Fok apropriou-se dos antigos mapas europeus e reinventou-os. No centro das obras do artista, que combinam a cartografia e a arte contemporânea, a realidade e a ficção, está Macau.

Literatura de Macau divulgada em Portugal

O Fórum do Livro de Macau, que se realizou entre 24 de Outubro e 5 de Novembro deste ano, atraiu cerca de 500 visitantes e levou a Lisboa e a Coimbra literatura da terra numa iniciativa da Associação Amigos do Livro em Macau.

As “Chapas Sínicas” (東波檔)

As Chapas Sínicas são compostas por mais de 3600 documentos de correspondência oficial, provenientes da antiga Procuratura do Senado de Macau e fazem parte do acervo do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, e estão, desde Maio deste ano, inscritas no Programa Memória do Mundo da UNESCO. Os documentos ilustram as relações luso-chinesas desenvolvidas entre o Senado e as diversas autoridades chinesas, abrangendo um período entre 1693 e 1886, sendo que os temas se referem aos mais diversos aspectos da vida da cidade.

Liu Wangjing, produtor de carnes secas

O meu nome é Liu Wangjing, tenho 72 anos, e sou dono de uma loja que vende carnes secas e chouriços chineses artesanais na Rua dos Mercadores. A Quen Ine Chan Carnes Secas está de pé desde 1875 e eu estou aqui desde 1960.

Festividade do Arroz das Irmãs

O Festival do Arroz das Irmãs (姐妹饭节) realiza-se anualmente no 15.º dia do terceiro mês lunar. É uma das celebrações mais importantes no calendário dos Miao, minoria étnica presente nos concelhos de Taijing, Shibing e Jianhe, na Província de Guizhou. Raparigas, que são o centro da celebração, convidam os seus pretendentes a provarem o arroz por elas preparado, tocam tambores, dançam, cantam, dão lembranças e ficam noivas, num ritual que marca a passagem da fase da infância e adolescência para a idade adulta de uma mulher, que em breve será a líder da família. É uma espécie de versão arcaica do tradicional Dia dos Namorados na cultura ocidental.

Velhos edifícios que voltam a contar histórias

O património ao serviço da cultura, do turismo e da comunidade. O Governo de Macau tem apostado nos últimos anos na requalificação de edifícios históricos, muitos dos quais estavam ao abandono. Especialistas defendem que a alteração da legislação e a conservação da identidade e narrativa histórica destas estruturas são elementos fundamentais para o sucesso do projecto.

O saber ocupa a terceira idade

Uma máquina fotográfica, um curso de edição de imagem ou um poema de Li Bai mudaram as vidas de Leong Pek Kuan e Lai Pou Yun, duas estudantes da Academia do Cidadão Sénior do Instituto Politécnico de Macau. A funcionar há 17 anos, este estabelecimento de ensino aposta na educação para fazer face a uma sociedade cada vez mais envelhecida.

Em Pequim para estudar chinês

Daniela Atraca Gonçalves, antiga aluna da Escola Portuguesa de Macau, foi para Pequim estudar mandarim após o ensino secundário. A frequentar a licenciatura em Língua e Cultura Chinesa, a jovem de 22 anos quer regressar à RAEM para trabalhar na área do turismo.

Chinês leva cada vez mais portugueses à escola

Macau tem há um ano uma nova escola de línguas, que fez muitos portugueses regressarem às salas de aulas para aprender chinês. A Escola de Línguas Global – Centro de Educação oferece cursos de mandarim, cantonês, português e inglês e tem já mais de 100 alunos inscritos.

É de pequenino que se aprende chinês

Viver a cidade em pleno. Esta é uma das motivações que leva cada vez mais famílias originárias dos países de língua portuguesa residentes em Macau a optar pelo ensino chinês. Fomos ouvir a história de quem o fez. Do ensino regular chinês, ao luso-chinês ou multilingue, esta é também a história de uma cidade que está a tentar chegar a mais comunidades.